Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo propõe acordo global de médio prazo aos parceiros sociais (act)

Documentos do Governo reiteram objectivo de aumentar salário mínimo para 530 euros em 2016 e propõem um acordo de médio prazo em várias áreas.

Miguel Baltazar/Negócios
  • Assine já 1€/1 mês
  • 7
  • ...

O Governo propôs aos parceiros sociais a negociação de um acordo de médio prazo que inclua medidas em várias áreas, incluindo o financiamento das empresas, a fiscalidade, a regulação do mercado de trabalho ou a Segurança Social, entre outras. No final da primeira reunião de concertação social, tanto os patrões como os sindicatos se mostraram satisfeitos.

Nos documentos entregues aos parceiros sociais esta quinta-feira, que servem de base à primeira reunião de concertação social, a que o Negócios teve acesso, também é reiterada a proposta de aprovação de uma trajectória de aumento do salário mínimo que fixe o valor em 530 euros em 2016, atingindo os 600 euros em 2019. Esta questão será discutida numa reunião marcada para a próxima semana.

Houve um "grande consenso e disponibilidade dos parceiros sociais para todos fazerem parte da solução", afirmou o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, à saída da reunião.

António Saraiva mostrou-se "satisfeito" com o facto de o Governo ter proposto um acordo para a legislatura e uma proposta para a capitalização de empresas e para o investimento.

João Vieira Lopes, da CCP, sublinhou que foi "valorizada" a concertação social, apesar de também ter acrescentado que por vezes as expectativas criadas a este nível não se concretizam.

Francisco Calheiros, da Confederação do Turismo (CTP) afirmou que a presença do primeiro-ministro e de quatro ministros (Ficanças, Economia, Trabalho e Agricultura) dissipa as dúvidas sobre "o posicionamento do Governo quanto à concertação social".

Arménio Carlos, da CGTP, disse que foi uma "reunião frontal, com posições claras de ambas as partes", acrescentando que é preciso resolver a questão da contratação colectiva para que haja diálogo social.

Quastionado sobre quando pretende fechar este acordo mais lato, o primeiro-ministro afirmou que será apresentado um calendário detalhado aos parceiros sociais. "A ambição que temos" é que seja "tão rápido quanto possível", respondeu o primeiro-ministro.

"Saímos muito agradados com a forma como decorreu a reunião, com a vontade que encontramos em todos os parceiros para trabalhar na concertação, no excelente clima que foi criado e na boa receptividade que teve a metodologia proposta pelo Governo", afirmou António Costa.  

 
Actualizado às 19:26 com mais informações e a reacção dos parceiros sociais

Ver comentários
Saber mais concertação social Governo parceiros sociais salário mínimo
Mais lidas
Outras Notícias