Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governo reúne com os sindicatos na sexta-feira

O Governo reúne-se com os sindicatos da Função Pública na próxima sexta-feira na sequência do período de negociação suplementar dos salários para 2006., disseram hoje à agência Lusa fontes sindicais.

Negócios negocios@negocios.pt 09 de Janeiro de 2006 às 19:04
  • Partilhar artigo
  • ...

O Governo reúne-se com os sindicatos da Função Pública na próxima sexta-feira na sequência do período de negociação suplementar dos salários para 2006, disseram hoje à agência Lusa fontes sindicais.

O Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), a Frente Sindical da Administração Pública (FESAP) e a Frente Comum solicitaram, no início do mês, a negociação suplementar dos salários, depois de o Governo ter encerrado as negociações no mesmo dia em que apresentou uma proposta de actualização salarial de 1,5%.

A convocatória da reunião de negociação suplementar chegou hoje aos sindicatos da Função Pública, sendo a Frente Comum recebida às 09:30, seguida da FESAP (11:00) e do STE (15:00), disseram hoje à agência Lusa fontes sindicais.

O ministro das Finanças e da Administração Pública, Fernando Teixeira dos Santos, disse hoje que esperava reunir-se com os sindicatos nos próximos dias, mas, no entanto, não adiantou qualquer data.

Os sindicatos acusaram o Governo de violar a lei da negociação, por ter realizado apenas duas reuniões negociais, sendo que na primeira não apresentou qualquer proposta, limitando-se a perguntar às estruturas sindicais se estavam disponíveis para alterar as suas propostas, tendo em conta o Orçamento de Estado para 2006.

O Governo propôs uma actualização salarial de 1,5% e um aumento de 2,5% para as pensões abaixo dos 1.000 euros, 1,5% para as pensões entre 1.000 e 3.500 euros, enquanto que as pensões acima dos 3.500 euros não sofrem qualquer actualização.

Estes valores ficaram muito abaixo dos reivindicados pelos sindicatos da Função Pública: o STE e a FESAP, ambos afectos à UGT, exigiam uma actualização salarial de 3,5% e a Frente Comum, da CGTP, reivindicava 5,5%.

Outras Notícias