Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Grupo consegue 159 mil euros em créditos bancários fraudulentos

O Ministério Público deduziu acusação contra sete arguidos por crimes de burla e falsificação de documentos. Foram utilizadas fraudulentamente 90 identidades para a abertura de contas bancárias e para a obtenção dos créditos junto de instituições financeiras.

"MP, polícias e tribunais não têm capacidade de responder ao fenómeno da corrupção"
  • Assine já 1€/1 mês
  • 17
  • ...

Um grupo de sete indivíduos utilizou, de forma fraudulenta, a identidade de 90 pessoas para conseguir créditos bancários. Obtiveram empréstimos de um valor global superior a 159 mil euros. Estão agora acusados pelo Ministério Público.

 

O órgão judicial deduziu acusação contra os sete arguidos, referindo a prática de dezenas de crimes de burla e de falsificação de documentos, conforme explica uma nota publicada na terça-feira, 21 de Maio, no site da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

 

Entre 2010 e Maio de 2012, os arguidos terão utilizado a identidade de 90 pessoas para a abertura de contas bancárias fraudulentas. Com a documentação forjada, convenciam as instituições financeiras de que tinham condições para obter financiamento. E, assim, pediam créditos em nomes de terceiros, créditos esses fraudulentos.

 

“Com este estratagema, os arguidos obtiveram indevidamente créditos no valor global de 159.357,65 euros em prejuízo das instituições financeiras e dos restantes queixosos”, adianta o comunicado que acrescenta que lhes foram “recusados pedidos de pagamento no valor de 430.185,39 euros”.

 

O esquema chegou ao fim com a detenção do arguido principal em 19 de Maio de 2012, que se mantém em regime de prisão preventiva.

 

A investigação, no seio da qual foram apreendidos vários instrumentos do crime e prova bancária e a partir da qual foram arroladas 56 testemunhas, foi dirigida pela 3ª secção do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, dirigido por Maria José Morgado (na foto), e executada pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária.

 

(notícia actualizada com correcção do valor)

Ver comentários
Saber mais Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa Ministério Público créditos bancários fraudulentos
Mais lidas
Outras Notícias