Américas Guerra comercial ameaça "prejudicar economia global"

Guerra comercial ameaça "prejudicar economia global"

A aplicação de restrições comerciais poderá "minar a confiança e fazer descarrilar o crescimento global de forma prematura", de acordo com o FMI.
Guerra comercial ameaça "prejudicar economia global"
Diogo Cavaleiro 17 de abril de 2018 às 14:36

A guerra comercial é um dos riscos que o Fundo Monetário Internacional (FMI) vê pela frente para a economia de todo o globo, segundo o "World Economic Outlook" de Abril deste ano. 

 

"As recentes restrições às importações, anunciadas pelos Estados Unidos, as anunciadas acções de retaliação pela China, e a potencial resposta por outros países, aumentam as preocupações nesta matéria e ameaçam prejudicar a actividade e o sentimento globais e domésticos", admite o FMI no relatório de Abril, publicado esta terça-feira, 17.

 

As tensões comerciais, com a mudança de foco para políticas proteccionistas, constam dos riscos negativos para o desenvolvimento económico na óptica da instituição.

Estas lutas podem "minar a confiança e fazer descarrilar o crescimento global de forma prematura", sublinha o comunicado do FMI.


A economia global deverá crescer 3,9% este ano, segundo as perspectivas da entidade presidida por Christine Lagarde, mas no médio prazo a tendência de crescimento é menor e, além disso, há riscos como o relacionado com o comércio. 

 

Ainda que com oscilações diárias, a tensão geopolítica a nível comercial mantém-se: ainda ontem o presidente dos EUA, Donald Trump, criticou a China e a Rússia, acusando-os de desvalorizarem artificialmente as suas moedas.

 
Depois da imposição de tarifas por Donald Trump, a China retaliou com uma lista de produtos a que iria impor custos adicionais. Além disso, países como a Coreia do Sul e a Rússia também anunciaram respostas às tarifas americanas. 

"Fomentar a cooperação. Deverão assumir prioridade a manutenção do momento de reforma financeira e regulatória e a preservação de um sistema comercial aberto e multilateral". Esta é uma das mensagens deixadas pelo FMI para que a economia global se proteja dos riscos. 

Apesar da guerra comercial, segundo o novo "Outlook" do FMI, os Estados Unidos marcam um crescimento do produto interno bruto de 2,9% em 2018 e de 2,7% no próximo ano, duas décimas acima, nos dois casos, em relação às projecções de Janeiro.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

Guerra comercial e` invencao da fake news cnn; nao havera` tal coisa!!

Anónimo Há 1 semana

A Lagarta tem toda a razao! a culpa pela possivel crise economica mundial, e` do Trump que naoquer mais , negocios ruinosos para a America; apartir de agora e` cada um para si`.

General Ciresp Há 1 semana

Oh Diogo,eu vejo assim:Estamos perante os 2 paises mais industrializados e q mais exportam no mundo,quando eles comecarem a disparar e a bala comecar a sair pela culatra,eles vao arreguilar os olhos,estou certo.Eu penso q a China aguenta mais tempo debaixo de agua q os americanos,outra educacao.

pub