Mundo Ikea e Walmart entre as centenas de empresas que pedem a Trump travão nas tarifas à China

Ikea e Walmart entre as centenas de empresas que pedem a Trump travão nas tarifas à China

São 661 as empresas e as associações que subscrevem uma carta dirigida a Trump, na qual pedem que este opte por voltar à mesa de negociações e desista de aplicar novas tarifas à China.
Ikea e Walmart entre as centenas de empresas que pedem a Trump travão nas tarifas à China
Reuters
Ana Batalha Oliveira 14 de junho de 2019 às 08:03

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recebeu uma carta assinada por centenas de empresas e associações que apelam a que não sejam impostas novas tarifas sobre as importações chinesas.

Entre as 661 empresas e associações que subscreveram a missiva encontram-se as retalhistas Ikea, Walmart, Target e J Crew. As associações estendem-se desde grupos de retalhistas, locais e nacionais, até fabricantes dos mais diferentes produtos.

A carta é intitulada "As tarifas prejudicam o coração do território" ("tariffs hurt the heartland") e, apesar do apoio concedido ao Governo no combate a "práticas de comércio injustas", as empresas consideram que "tarifas adicionais terão um impacto significativo, negativo  e de longo prazo", que afetará tanto os negócios como a economia americana no seu todo.

A sustentar este ponto de vista, os assinantes citam um estudo da Trade Partnership Worldwide, que defende que avançar com tarifas de 25% sobre mais 300 mil milhões de dólares de importações, em conjugação com as tarifas já implementadas e respetiva retaliação, resultará na perda de mais de 2 milhões de empregos nos Estados Unidos, sobrecarregará as famílias americanas com custos de mais de 2.000 dólares em média e reduzirá o PIB norte-americano em 1%.

Apresentados os receios, as empresas reforçam a concordância com os objetivos do Governo de "equilibrar o jogo" comercial mas sublinham a visão de que "a guerra comercial não serve os melhores interesses" do país, pelo que insistem que a administração de Trump "volte para a mesa de negociações e trabalhe com os aliados para desenvolver soluções".

A carta, apesar de dirigida em particular a Donald Trump, termina com uma lista de outros responsáveis que se pretende terem também conhecimento do conteúdo: Robert Lightzer, o representante do Comércio, Steven Mnuchin, secretário do Tesouro, Wilbur Ross, secretário do Comércio, Sonny Perdue, secretário da Agricultura e Larry Kudlow, do Conselho Económico.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI