19 de junho de 2017 às 00:31
Onda de solidariedade está a criar problemas logísticos. Já há alimentos em excesso
Onda de solidariedade está a criar problemas logísticos. Já há alimentos em excesso

A ministra da administração interna, Constança Urbano de Sousa, apelou a que as pessoas deixem de doar alimentos na sequência do incêndio que deflagrou sábado em Pedrógão Grande, "dado a vaga de solidariedade estar a criar problemas logísticos".

"Estamos a assistir a uma enorme vaga de solidariedade e é de louvar. No entanto, eu queria fazer um apelo: o facto de as pessoas estarem a dar muitos mantimentos está neste momento a causar-nos algumas dificuldades de logística porque ficámos com excesso de alimentação", disse aos jornalistas Constança Urbano de Sousa.

"As necessidades neste momento estão cobertas e seria necessário que se suspendesse esta vaga", disse a ministra, que reconheceu que esta situação em Pedrógão Grande "é muito difícil" e apelou "ao sentimento de solidariedade das pessoas", que "agradeceu profundamente". "Mas neste momento não são necessários mais bens alimentares para não termos aqui dificuldades de armazenamento", afirmou.

O fogo, que deflagrou às 13:43 de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O último balanço dá conta de 62 mortos civis e 62 feridos, dois deles em estado grave. Entre os operacionais, registam-se dez feridos, quatro em estado grave. Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas. O Governo decretou três dias de luto nacional, até terça-feira.