Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

INE comunica défice de 5,5% e dívida de 127,8% para 2013

Dados reportados a Bruxelas mantêm défices colados às previsões do Governo e da troika e elevam o rácio da dívida pública.

Eva Gaspar egaspar@negocios.pt 30 de Setembro de 2013 às 11:26
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

No âmbito do reporte dos défices excessivos, o Instituto Nacional de Estatística (INE) comunicou nesta segunda-feira ao Eurostat os dados mais actualizados sobre a evolução dos principais agregados das finanças públicas, antecipando-se valores mais altos para o rácio da dívida pública em 2012 e 2013, embora se mantenha o valor do défice orçamental em ambos os anos.

 

Em relação a 2012, o fecho provisório apresentado pelo  INE em Março apontava para uma dívida pública equivalente a 123,6% do PIB (cerca de 204,5 mil milhões de euros), superior à estimativa de 123% apresentada pelo Governo na sequência da sétima avaliação da troika, sendo esse valor agora revisto para 124,1% (quase 204,8 mil milhões de euros). O défice orçamental é mantido em 6,4%.

 

Maior revisão em alta, em cerca de 10 mil milhões de euros, sofre a dívida pública estimada para o conjunto do ano de 2013, que continua, assim, numa trajectória ascendente ao invés do que se antecipava no fim do primeiro trimestre. Em Março deste ano, no âmbito da primeira notificação dos défices excessivos, o INE reportara a Bruxelas um rácio de 122,4% (201,1 mil milhões de euros), inferior ao de 2012. Nesta segunda notificação, em que incorpora dados mais actualizados, o INE revê em alta os números em mais de 10 mil milhões de euros e comunica uma dívida bruta de quase 211,4 mil milhões de euros, equivalente a 127,8% do PIB. O rácio do défice é mantido em 5,5% do PIB.

 

No comunicado enviado às redacções, precisa-se que para 2012 e anos anteriores a compilação dos dados do défice é efectuada pelo INE; já o apuramento da dívida pública está a cargo do Banco de Portugal. Para o ano corrente de 2013, as estimativas sobre ambos os agregados são da responsabilidade do Ministério das Finanças.

 

 

 

(notícia actualizada às 12h00)

Ver comentários
Outras Notícias