Europa Jorge Sampaio: "Todas as conquistas da Europa estão postas em causa"

Jorge Sampaio: "Todas as conquistas da Europa estão postas em causa"

O ex-Presidente da República arrasa a resposta da União Europeia à maior crise de refugiados das últimas décadas e confessa estar envergonhado com a atitude de países como a Dinamarca, que vai confiscar os bens dos requerentes de asilo.
Jorge Sampaio: "Todas as conquistas da Europa estão postas em causa"
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 03 de fevereiro de 2016 às 08:51

Em entrevista à Rádio Renascença, Jorge Sampaio disse que "se a UE continuar a responder desta maneira à crise dos refugiados não auguro nada de bom".

Para Sampaio, "a Grécia tem que ser seriamente ajudada". A falta de uma resposta eficaz à crise de refugiados coloca "todas as conquistas da Europa em causa", alerta.

Em entrevista ao programa "Terça à Noite" da Renascença, o antigo Presidente da República considera que a nova lei dinamarquesa que prevê o confisco de bens e dinheiro aos refugiados é "triste" e uma "hipocrisia".

Na semana em que mais de 70 nações se reúnem em Londres (quinta-feira, 4 de Fevereiro) numa conferência de recolha de fundos, o ex-alto representante das Nações Unidas para a Aliança das Civilizações espera que os acordos estabelecidos sejam de facto concretizados, já que metade dos contributos anunciados, na reunião anterior, ainda não foram postos em prática.

"A cimeira de Londres é significativa – vamos ver o que dá. Temos mais de 4 milhões de refugiados sírios na área, 13 milhões de deslocados no interior da Síria. Os objectivos dessa conferência destinam-se às questões fundamentais da segurança, da educação e do emprego", acrescenta o ex-governante.

E vai mais longe nas críticas à União Europeia por não honrar os seus compromissos. Confessa-se, mesmo, envergonhado com a falta de respostas da Europa e com o comportamento de países ditos desenvolvidos, como a Dinamarca ou a Suécia. Na mesma entrevista, Sampaio adverte ainda a Europa para a necessidade de ajudar a Grécia, a grande porta de entrada de refugiados e que está a ser abandonada à sua sorte.

Jorge Sampaio foi o primeiro político português a tomar a iniciativa de ajudar as vítimas da guerra na Síria. Em 2013, criou a Plataforma Global de Assistência Académica de Emergência a Estudantes Sírios, um mecanismo que já permitiu a dezenas de universitários prosseguirem os estudos em Portugal e noutros países.

A entrevista à Renascença surge numa altura em que a Europa continua a pressionar a Grécia para para pôr um travão ao fluxo de refugiados, ameaçando fechar mais fronteiras caso isso não aconteça. De acordo com a agência Bloomberg, a Comissão Europeia formalizou um conjunto de recomendações confidenciais ao governo grego com vista à melhoria das condições de registo dos que procuram asilo, ao mesmo tempo que diz que a Grécia não está a implementar devidamente as medidas decididas ao nível europeu para controlar o enorme afluxo de migrantes que diariamente tentam aceder ao espaço comunitário.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI