Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Judiciária apreende dez carros topo de gama em investigação ligada ao BPN

Foram efectuadas 55 buscas em todo o país e detidas três pessoas, das quais um empresário e dois advogados. Outras seis foram constituídas arguidas. Em causa crimes de burla, fraude fiscal, falsificação de documentos, abuso de confiança, branqueamento e corrupção. Os detidos estão agora a ser ouvidos no Tribunal Central de Instrução Criminal. Veja aqui as fotos das apreensões.

Judiciária apreende dez carros topo de gama em investigação ligada ao BPN
Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt 28 de Outubro de 2010 às 12:33
  • Partilhar artigo
  • 25
  • ...
A Polícia Judiciária (PJ) apreendeu dez viaturas de topo de gama, entre as quais Mercedes, Porsche, Ferrari, Lamborghini, Aston Martin e McLaren Mercedes, no valor de vários milhões de euros. Foi igualmente apreendida uma embarcação de recreio, no valor de 1,7 milhões de euros, bem como o saldo, de milhões de euros, relativo a contas bancárias sedeadas em Portugal e no estrangeiro, adiantou a PJ em comunicado.

Em causa está uma investigação no âmbito de mais um processo ligado ao BPN, noticiada no início desta semana. A PJ realizou 55 operações de busca em todo o país e deteve três pessoas, das quais duas são advogados. Além disso, foram ainda constituídos outros seis arguidos, entre os quais se encontra Luis Duque, vereador da Câmara de Sintra com o pelouro das obras públicas, advogado e ex-presidente da SAD do Sporting.

Os arguidos, refere a PJ, estarão envolvidos em crimes de burla qualificada, fraude fiscal qualificada, falsificação de documentos, abuso de confiança, branqueamento e corrupção.

A forma de operar passava por operações de financiamentos bancários, de valor superior a cem milhões de euros, com recurso a sociedades representadas ou controladas pelos arguidos.

Para a constituição dos empréstimos eram dadas falsas garantias ou apresentadas hipotecas sustentadas em imóveis sobreavaliados. Os arguidos trabalhavam em conjunto com empresas de avaliação imobiliária e altos quadros do banco e colocavam-se depois em situação de incumprimento. Por outras palavras, arrecadavam o dinheiro e pura e simplesmente não pagavam, deixando executar as garantias de valor inferior ao montante financiado.

Buscas em escritórios de advogados e na Câmara de Sintra

As buscas foram realizadas em escritórios de advogados, notários, contabilistas, empresas de avaliação imobiliária, instituições de crédito e sociedades financeiras. Foi também visitada a Câmara Municipal de Sintra, onde o presidente, Fernando Seara, forneceu o acesso a documentação vária, relacionada com a contrução de umas bombas de gasolina localizadas no concelho.

Os arguidos, adiantou a Lusa, começaram hoje de manhã a ser ouvidos no Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, pelo juiz Carlos Alexandre, o mesmo magistrado que acompanhou a investigação liderada pelo procurador Rosário Teixeira, do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).





















































































































































































Ver comentários
Outras Notícias