Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Juros da dívida dos periféricos sobem em antecipação à cimeira

Juros da dívida de todos os países mais fragilizados estão a agravar-se, em antecipação à cimeira do próximo domingo.

Edgar Caetano edgarcaetano@negocios.pt 19 de Outubro de 2011 às 11:03
Reacção morna ao corte de “rating” da Moody’s a Espanha, que terá apanhado poucos investidores desprevenidos. Juros da dívida de todos os países mais fragilizados estão a agravar-se, em antecipação à cimeira do próximo domingo.

O “The Guardian” noticiava ontem que os líderes europeus estariam na iminência de acordar um aumento dos recursos do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF) para dois biliões de euros, uma notícia entretanto desmentida.

Ainda assim, um maior optimismo em torno da cimeira europeia do próximo domingo está a impulsionar o apetite pelo risco nos mercados europeus. O que tende a animar os preços das acções e a pressionar os preços das obrigações, que assim vêem as “yields” implícitas subirem.

A rendibilidade implícita da dívida soberana espanhola está a subir ligeiramente em todos os prazos, com a taxa de referência a 10 anos nos 5,38%. A Moody’s anunciou ontem a descida do “rating” de Espanha em dois níveis, para “A1”.

“O corte de ‘rating’ não foi inesperado”, escreve em nota enviada ao Negócios Richard McGuire, um analista do Rabobank. O especialista recorda que o país vizinho vai amanhã emitir dívida de longo prazo, podendo registar uma descida do apetite pelos títulos e uma subida dos custos.

Já as “yields” da dívida portuguesa a 10 anos sobem pela nona sessão consecutiva, aproximando-se dos 12%.

Ver comentários
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio