Política Líder do CDS-PP quer descentralização acompanhada dos meios necessários

Líder do CDS-PP quer descentralização acompanhada dos meios necessários

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu na terça-feira que a descentralização administrativa deve avançar acompanhada dos meios necessários para que os municípios prossigam as suas funções.
Líder do CDS-PP quer descentralização acompanhada dos meios necessários
Lusa 28 de fevereiro de 2018 às 01:06

"Para nós é muito importante ter a certeza de que aquilo que é transferido é transferido com os meios necessários para que, depois, os municípios possam prosseguir as suas funções. E não excluímos que, em muitos casos, os municípios que se sentem em condições para assumir determinadas funções certamente que as assumem", disse a dirigente centrista.

 

Assunção Cristas falava aos jornalistas antes da conferência "Ouvir Portugal - Profissões do futuro", no Café Santa Cruz, em Coimbra, com a participação da socióloga Dora Fonseca, do jornalista José Manuel Fernandes, de Daniel Traça, director da Nova SBE, João Rebelo de Andrade (agricultura genética) e Pedro Fonseca (empresas tecnológicas de serviços financeiros).

 

Salientando que o CDS-PP tem tradição municipalista, Cristas entende que a "descentralização é um aspecto muito importante e que, de facto, existem matérias que devem passar para os municípios".

 

No entanto, ressalvou que "os municípios não são todos iguais, não têm todos as mesmas capacidades, a mesma dimensão, quer territorial quer de massa humana, e isso também se reflecte ao nível dos seus próprios recursos".

 

"Aqueles que não se sentem em condições para assumir a descentralização, porque não têm recursos humanos ou financeiros, não devem ser obrigados, sobretudo quando não há desde logo uma vontade de transferir recursos financeiros e, muitas vezes, humanos, para que isso possa acontecer", frisou Assunção Cristas.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub