Transportes Linha do Oeste eletrificada até Caldas da Rainha em 2022

Linha do Oeste eletrificada até Caldas da Rainha em 2022

O concurso para a eletrificação da Linha do Oeste, entre Torres Vedras e Caldas da Rainha, vai ser lançado dentro de quatro meses e a obra deve ficar concluída até ao final de 2022, anunciou esta terça-feira o Governo.
Linha do Oeste eletrificada até Caldas da Rainha em 2022
Lusa 23 de julho de 2019 às 19:19

A eletrificação da Linha do Oeste no troço Torres Vedras/Caldas da Rainha vai ser posta a concurso "dentro de dois a quatro meses", anunciou o secretário de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado (na foto), nas Caldas da Rainha, estimando a conclusão da obra para o "terceiro trimestre de 2022".

 

O secretário de Estado assinalava, na sede da Comunidade Intermunicipal do Oeste (OesteCim), o lançamento da primeira fase da empreitada [de eletrificação da linha] entre Mira Sintra Meleças e Torres Vedras, cujo concurso foi hoje publicado em Diário da República.

 

De acordo com o governante, a obra será lançada em duas fases "por razões de natureza meramente técnica", mas a eletrificação entre Torres Vedras e Caldas da Rainha, com um valor previsto de 30,4 milhões de euros, "avançará de seguida" e terminará em simultâneo com o troço lançado hoje.

 

O concurso lançado pela empresa Infraestruturas de Portugal (IP) contempla duas empreitadas: a modernização do troço entre Mira Sintra-Meleças e Torres Vedras (num investimento de 68,5 milhões de euros) e a empreitada de conceção-execução da subestação de tração de Runa, postos autotransformadores e zona neutra no troço Mira Sintra-Meleças -- Caldas da Rainha (orçada em 5,8 milhões de euros).

 

Na primeira fase da obra, a eletrificação e modernização da linha abrangerá 43 quilómetros de extensão, 16 dos quais com via dupla, segundo a IP, para permitir o cruzamento de comboios.

 

Está ainda prevista a construção de desnivelamentos superiores e inferiores ao caminho-de-ferro, intervenções em cinco estações e seis apeadeiros, a instalação do sistema de retorno de corrente de tração e de terras de proteção, a renovação pontual e a retificação do traçado de via, entre outras intervenções de modernização da via férrea.

 

De acordo com o secretário de Estado, "a obra será feita maioritariamente sem encerrar a linha", com algumas intervenções previstas para o período noturno.

 

Exceção será o encerramento do troço Malveira-Torres Vedras, "entre novembro de 2021 e março de 2022, para rebaixar a plataforma no atravessamento de um túnel com altura insuficiente", explicou o vice-presidente da IP Carlos Fernandes.

 

De acordo com a IP, a eletrificação do troço até às Caldas da Rainha "permitirá a redução do tempo de percurso [até Lisboa] em cerca de 30 minutos", estimando-se que a viagem entre Torres Vedras e Lisboa demore 50 minutos e entre Caldas da Rainha e aquele destino cerca de 01:30.

 

A intervenção permitirá ainda aumentar a oferta "de 16 circulações para 48", nos dois sentidos, divulgou a IP.

 

A modernização da Linha do Oeste insere-se no âmbito do programa Ferrovia 2020 e compreende um investimento global superior a 155 milhões de euros, comparticipados pela União Europeia.

 

O projeto incide em 87 dos 200 quilómetros da Linha do Oeste (que liga Lisboa à Figueira da Foz), atravessando os concelhos de Sintra, Mafra, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras, Cadaval (distrito de Lisboa), Bombarral, Óbidos e Caldas da Rainha (Leiria).




pub

Marketing Automation certified by E-GOI