Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Loureiro dos Santos exclui solução militar como resposta à ameaça terrorista

O general Loureiro dos Santos defende que "neste momento talvez ainda não se justifique uma frente militar", até porque "começa a haver partilha de informações na Europa, o que é muito importante".

Correio da Manhã
David Santiago dsantiago@negocios.pt 22 de Março de 2016 às 18:50
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

A resposta à ameaça terrorista que pende sobre a Europa depois dos ataques executados esta terça-feira, 22 de Março, em Bruxelas e que foram reivindicados pelo autodenominado Estado Islâmico (EI), que ameaçou com novos ataques, não deve, pelo menos para já, passar pela via militar.

 

É esta a perspectiva do general Loureiro dos Santos, que sustenta que "neste momento talvez ainda não se justifique uma frente militar". O antigo ministro da Defesa considera que "começa a haver partilha de informações na Europa, o que é muito importante", uma vez que "os serviços de informações estão a partilhar informação".

 

"Sem isto não se conseguirá nada", afiança o general para quem a "localização" de Bruxelas enquanto "placa giratória próxima da Europa rica" faz da capital belga um alvo preferencial para os terroristas.

 

Assumindo o receio de que se continue a assistir futuramente à repetição de ataques terroristas em solo europeu, tornando-se esta situação num "novo normal na Europa", Loureiro dos Santos admite que, como se verifica na Bélgica, seja "preciso, a partir de certo grau de ameaça, montar esquemas de segurança tais como patrulhas na rua".

Ver comentários
Saber mais Europa Bruxelas Estado Islâmico Loureiro dos Santos terrorismo Bélgica
Mais lidas
Outras Notícias