Mundo Macron diz que "exército europeu" não tem como alvo os EUA  

Macron diz que "exército europeu" não tem como alvo os EUA  

O presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou hoje que o "exército europeu" que defende não tem como alvo os Estados Unidos, reportando-se à "confusão" na interpretação que desencadeou a fúria Donald Trump.  
Macron diz que "exército europeu" não tem como alvo os EUA   
reuters
Lusa 10 de novembro de 2018 às 14:29

Na terça-feira, o Chefe de Estado francês defendeu numa entrevista à rádio Europa 1, a criação de um "exército europeu", o que levou a que Donald Trump escrevesse, na noite de sexta-feira, uma mensagem na rede social ‘Twitter’ em que considerava a posição de Macron como "muito insultuoso" e alegava que a Europa queria proteger-se dos Estados Unidos.

 

O presidente francês recebeu hoje de manhã Donald Trump no Palácio do Eliseu, em Paris, depois de se reunir com Ângela Merkel, em Rethondes, um encontro que teve um "significado simbólico" e que se realizou no âmbito das Cerimónias do Armistício da Primeira Grande Guerra.

 

Na entrevista à rádio Europe 1, Macron referiu-se às sucessivas ameaças à Europa, à intrusão no ciberespaço e à saída dos Estados Unidos do tratado de armas nucleares de médio alcance (INF) concluído durante a Guerra Fria.

 

Hoje, nas declarações aos jornalistas, Emmanuel Macron esclareceu que "nunca disse que era necessário criar um exército europeu contra os Estados Unidos".

 

E prosseguiu: "Compreendo que a sequência de tópicos [da entrevista à rádio Europa 1] possa ter gerado alguma confusão. Mas são dois assuntos diferentes, o tratado INF e o tema de uma força de defesa europeia, no qual estou a trabalhar e está em andamento", salientou o governante.

 

"A saída do tratado INF tem a ver com a segurança da Europa. E é por isso que a Europa deve [também] estar envolvida no diálogo sobre este assunto", frisou.

 

Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa Lusa

Presidente do Conselho Europeu critica Trump

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, criticou hoje o Presidente norte-americano, Donald Trump, por se opor a "uma Europa unida e forte", a propósito da proposta do chefe de Estado francês para a criação de um exército europeu.

 

"Pela primeira vez na História, temos uma administração americana que não está entusiasmada, e que pouco diz, sobre uma Europa unida e forte", disse Donald Tusk, num discurso em Lodz, na Polónia.

 

"Estou a falar de factos, não de propaganda", disse o ex-primeiro-ministro da Polónia, numa altura em que Presidente dos Estados Unidos está em Paris para assistir às comemorações do centenário do fim da Primeira Guerra Mundial.

 

Quando chegou a Paris, numa mensagem na rede social Twitter, Donald Trump criticou o seu homólogo francês a propósito da proposta de criação de um exército europeu.

 

"O Presidente Macron acaba de sugerir que a Europa construa o seu próprio exército, para se proteger dos Estados Unidos da América, da Rússia e da China", escreveu Trump, acrescentando que "é muito insultuoso" e "talvez a Europa devesse pagar antes a sua parte à NATO, que os EUA subsidiam largamente".

 

Entretanto, o Presidente francês, Emmanuel Macron, que hoje de manhã recebeu o seu homólogo norte-americano no Palácio do Eliseu, em Paris, afirmou que o "exército europeu" que defende não tem como alvo os Estados Unidos.

 




pub