Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Maioria dos portugueses desconfia do Governo mas são menos do que há um ano

O Governo é a instituição em que os portugueses menos confiam, mas, no último ano, a confiança no Executivo aumentou, de 9 para 29%, a maior subida entre 25 países inquiridos pelo Edelman Trust Barometer 2012.

Lusa 20 de Abril de 2012 às 07:53
  • Assine já 1€/1 mês
  • 9
  • ...
De acordo com o inquérito anual de confiança, Portugal continua classificado como 'desconfiado', ao nível dos EUA e da Suécia, mas encontra-se muito próximo da fronteira com os países 'neutros', num 'ranking' em que a China e os Emirados Árabes Unidos são os países mais confiantes.

Segundo as conclusões do inquérito, que serão apresentadas hoje em Lisboa, 29 por cento dos portugueses disse confiar no Governo, o que representa uma subida de 20 pontos percentuais no último ano, e é a maior dos 25 países inquiridos, um resultado que está em contra ciclo com as conclusões internacionais do estudo, que aponta para o facto de os Governos serem considerados os principais culpados pelo caos financeiro e político.

França, Espanha, Brasil, China, Rússia e Japão viram a confiança nos seus Governos cair mais de dez pontos.

Mas, apesar desta subida, a confiança de Portugal no Governo continua abaixo das médias europeia e global.

As Organizações Não Governamentais (ONG) continuam no topo da confiança dos portugueses, apesar de terem registado uma queda desde o inquérito anterior, de 69 para 63 por cento.

De acordo com o Edelman Trust Barometer 2012 hoje divulgado, a confiança dos portugueses nas empresas e nos meios de comunicação social também aumentou, para 54 e 51 por cento, respectivamente.

O Edelman Trust Barometer 2012, realizado entre 10 de Outubro e 30 de Novembro de 2011, inquiriu 1.000 pessoas em Portugal pertencentes ao público em geral e 200 respondentes pertencentes ao público dito informado.

Segundo o inquérito, o público geral confia menos no Governo, nas empresas e nas ONG do que o público informado, sendo o nível de confiança mais semelhante, entre os dois públicos, em relação aos meios de comunicação.

Ver comentários
Outras Notícias