Política Marcelo defende transparência "em particular" sobre financiamento da actividade política

Marcelo defende transparência "em particular" sobre financiamento da actividade política

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu que a "transparência é muito boa para a democracia", em particular quando se trata do "financiamento da actividade política", saudando o "debate aceso" de sexta-feira no parlamento.
Marcelo defende transparência "em particular" sobre financiamento da actividade política
António Cotrim/Lusa
Lusa 03 de março de 2018 às 14:15

Em declarações aos jornalistas este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que "os deputados perceberam" que "era preciso alargar o tempo e dar tempo para a reflexão" sobre as alterações às regras do financiamento partidário e da fiscalização, aprovadas na sexta-feira no parlamento, após uma primeira versão do diploma ter sido vetada pelo Presidente.

 

"A transparência é muito boa para a democracia e em particular quando se trata de financiamento da actividade política", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, depois de questionado sobre o processo legislativo que conduziu à aprovação da lei, à margem de uma visita à Igreja Adventista do Sétimo Dia, em Lisboa, a cujo culto assistiu.

 

O Presidente da República afirmou que só após receber o diploma em Belém dirá se o promulga. Contudo, disse "reconhecer" que "os deputados perceberam" os motivos do seu veto em Janeiro e que foram ao encontro daquilo que pretendia, realizando um debate "muito amplo, muito intenso".

 

"Os deputados perceberam que tinham de explicar e até explicaram de forma contundente, foi um dos debates mais acesos dos últimos tempos no parlamento, mas era preciso fazê-lo e ainda bem que foi feito", considerou.

 

O chefe do Estado sublinhou que além do debate realizado, os deputados decidiram que uma das "grandes alterações" – o alargamento do reembolso do IVA à totalidade das despesas com a actividade partidária – já não seria introduzida.

 

Questionado sobre outras alterações à lei que se mantiveram do diploma vetado, como o fim do limite aos montantes obtidos pelos partidos através de angariações de fundos, frisou que "o Presidente da República não deve impor a sua opinião relativamente ao consenso na sociedade portuguesa".

 

"A minha posição sobre esta matéria é ultraminoritária na sociedade portuguesa. Sou a favor da redução das despesas e a favor de um sistema essencialmente público, isso não é consensual na sociedade e o Presidente não deve impor a sua opinião", disse.

 

O diploma que altera as regras do financiamento partidário e o modelo de fiscalização foi aprovado na sexta-feira com os votos favoráveis do PSD, PS, BE, PEV e PCP, os votos contra do CDS-PP e PAN e a abstenção dos deputados eleitos pelo PS Helena Roseta e Paulo Trigo Pereira.

 

O diploma regressa a Belém para promulgação com uma única alteração aprovada, proposta pelo CDS-PP: a manutenção do regime de reembolso do IVA por despesas com a actividade partidária tal como está na lei em vigor, cingido às despesas com a difusão da mensagem política.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Alentejano 04.03.2018

mesmo que exista transparência de onde vem onde fica a transparência de para onde vai ? isso sim seria interessante ouvir num debate politico alguém a puxar o tapete aos nepotismos!

Não me faça rir, SR. PR 03.03.2018

Transferência neste governo é uma impossibilidade, é o mesmo que pedir a um cego para ver, é impossível.
A opacidade está no ADN socialista, são corruptos por natureza.
Por exemplo, o OE 2018 é a maior vigarice, que o SR. PR aprovou, aprovam um orçamento e cativam-no e fazem outro, transparência?

Pois pois 03.03.2018

Este é pior do que os outros todos. Desde o princípio que a questão não era a transparência, pois o eleitor nada pode fazer, mesmo sabendo, contra o abuso de poder da Assembleia, como foi o caso... Apenas pode assistir!

pub