IRS Maria Luís Albuquerque desafia Governo a corrigir tabelas de retenção do IRS
IRS

Maria Luís Albuquerque desafia Governo a corrigir tabelas de retenção do IRS

A ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque (PSD) defendeu hoje que se aproveite o actual momento para corrigir as tabelas de retenção de IRS, aproximando o valor que se retém a cada contribuinte daquilo que ele tem efectivamente que pagar.
A carregar o vídeo ...
Lusa 22 de fevereiro de 2018 às 14:47

"Lanço um desafio, em especial ao PS, que se o dinheiro é à borla, as taxas de juro estão em níveis negativos, porque continuamos a cobrar tanto dinheiro aos contribuintes através do IRS para devolver um ano depois. Talvez fosse uma boa altura para corrigir este sistema, porque há melhores formas de poupança do que esta", disse a antiga ministra do governo de Passos Coelho numa conferência na Nova School of Business & Economics em que participava também o antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade (PS).

 

Em declarações à agência Lusa no final da sessão, Maria Luís Albuquerque explicou que a afirmação feita surgiu na sequência de um comentário de Rocha Andrade "que dizia que neste momento para o Estado, a curto prazo, o dinheiro é à borla, ou melhor, até é mais do que isso porque estamos com taxas de juro negativas e portanto que o Estado não tinha nenhuma vantagem em cobrar antecipadamente e procurar adiantamentos dos contribuintes, que isso não traria nenhuma vantagem financeira".

 

"A minha resposta foi nesse sentido: se não deveremos aproveitar este momento para fazer essa correcção estrutural em termos do que são as tabelas de retenção para que se aproxime o mais possível aquilo que se retém a cada contribuinte daquilo que ele tem efectivamente que pagar", disse.

 

Segundo a ex-governante, "a grande maioria dos contribuintes recebe um reembolso significativo, em função do seu nível de rendimento, obviamente no ano a seguir, o que significa que adiantou demasiado dinheiro ao Estado".

 

Maria Luís Albuquerque considera assim que é necessário aproveitar este momento "em que reconhecidamente o Estado não precisa dessa ajuda" para fazer essa correcção.

 

"Esse momento de ajustamento deve ser feito quando houver condições para isso e as condições seriam agora em que o financiamento de curto prazo está, de facto, até com taxas negativas", concluiu.

 




A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Desanimado 09.03.2018

Esta anormal mais o atrasado mental passos coelho mais a laranjada demente, foram responsáveis pela introdução do quociente familiar no IRS, só que todos estes atrasados mentais fizeram a lei de tal maneira que nos casos dos divorciados que tinham filhos em guarda conjunta, apenas permitiam que um dos conjugues usufrui-se deste quociente mesmo que os filhos vivessem em casa de cada conjugue alternadamente. Uns bovinos para não dizer outra coisa.

A geringonça foi uma dádiva de Deus.Sorte do Povo 23.02.2018

Vai dar banho ao cão.

Lol 23.02.2018

Olha a mentirosa que se estava a preparar para roubar mais 600 M das pensões Esta escumalha não tem vergonha na tromba

pertinaz 23.02.2018

CARREGA MARIA LUÍS...!!!

A ESCUMALHA ENGANA O POVO DESCARADAMENTE...!!!

ver mais comentários
pub