Política Marques Mendes: Convinha Rio diferenciar-se do passado com "base em causas e não em casos"

Marques Mendes: Convinha Rio diferenciar-se do passado com "base em causas e não em casos"

Luís Marques Mendes enaltece o "caminho diferente do passado" que Rui Rio parece estar a querer fazer, mas tece críticas à forma como o líder do PSD está a começar.
Marques Mendes: Convinha Rio diferenciar-se do passado com "base em causas e não em casos"
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 25 de fevereiro de 2018 às 21:14

"Rio faz bem em afirmar um caminho diferente do passado. Mas conviria fazê-lo com base em causas e não em casos. Até ao momento só houve casos", afirmou Marques Mendes no seu comentário semanal na SIC.

 

O comentador político considera "um pouco surreal" que o "o primeiro acto do novo líder do PSD" tenha sido "negociar com o Governo em vez de tomar uma iniciativa de oposição", isto depois de o partido estar há "cinco meses sem fazer oposição".

 

A primeira semana da liderança de Rui Rio fica assim marcada por vários casos (diálogo com António Costa, aposta em Elina Fraga e uma afronta aos deputados do partido), que, na óptica de Marques Mendes, têm como objectivo uma demarcação do anterior líder do PSD, Pedro Passos Coelho.

 

A eleição de Fernando Negrão para a liderança da bancada parlamentar também foi alvo do comentário de Marques Mendes, considerando que todo o episódio deu "uma imagem desgraçada" do grupo parlamentar do PSD.

 

Rui Rio "fez uma provocação inaceitável" quando decidiu não convocar Hugo Soares, ainda líder da bancada parlamentar, para a primeira Comissão Política Nacional. Marques Mendes considerou este passo como "mesquinho". Rui Rio cometeu ainda "um erro desnecessário" ao não ter ainda falado com o grupo parlamentar.

 

Quanto a Fernando Negrão, uma "vítima" deste processo, vai ter a sua prova de fogo na próxima quarta-feira, diz Marques Mendes, dia em que vai decorrer o debate quinzenal com o primeiro-ministro.




pub