Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Mercer HR prevê subida de 4% nos salários em 2005

A empresa de consultoria Mercer HR estima que em 2005 se verifique um aumento de 4% nos salários dos trabalhadores portugueses, em média, o que a confirmar-se representará mais um ponto percentual do que a inflação estimada pela companhia para o mesmo per

Isabel Aveiro ia@negocios.pt 06 de Dezembro de 2004 às 14:04
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A empresa de consultoria Mercer HR estima que em 2005 se verifique um aumento de 4% nos salários dos trabalhadores portugueses, em média, o que a confirmar-se representará mais um ponto percentual do que a inflação estimada pela companhia para o mesmo período.

O estudo da Mercer, intitulado «Global Compensation Planning Report, cujos resultados foram hoje divulgados, faz uma previsão de aumento médio, contemplando cinco níveis de trabalhadores, a saber: «operacional, administrativo, técnico, gestores e executivos seniores».

O estudo, que engloba a análise a 70 países, estima que a nível global «os salários cresçam em média de 1,9 pontos percentuais acima da inflação» no próximo ano.

Na União Europeia (UE) «os salários devem crescer 2,1 pontos percentuais acima da inflação», o que compara com 0,4 pontos percentuais nos EUA (aumento de 3,5% para inflação prevista de 3,1%) e de 2,4 pontos percentuais no Japão (aumento de 2,3% para uma deflação de 0,1%).

Segundo a mesma análise da Mercer, os salários mais elevados face à inflação prevista registar-se-ão na Lituânia, onde o aumento previsto é de 9,9%, para uma inflação estimada de 2,2%. Ou seja, os salários dos trabalhadores lituanos ficarão, em média, 7,7 pontos percentuais acima do aumento dos preços previsto.

Em situação oposta, os trabalhadores da República Dominica verificarão um agravamento da sua situação. Se é certo que o aumento salarial previsto é de 22,5%, também é certo, de acordo com a Mercer, que a inflação estimada seja de 35%, o que quer dizer que os rendimentos dos trabalhadores ficarão 12,5 pontos percentuais abaixo da inflação aguardada.

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias