Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Miguel Albuquerque diz que Portugal não vai virar "página da austeridade"

Líder do Governo madeirense diz que os números do primeiro semestre são "irrefutáveis" e demonstram a "estagnação do crescimento económico, diminuição abrupta do investimento, quebra das exportações, aumento do desemprego".

Gregório Cunha/Correio da Manhã
Lusa 15 de Julho de 2016 às 10:35
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...
O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, considerou esta sexta-feira que Portugal não conseguiu "virar a página da austeridade" e a situação está a "complicar-se", não podendo o Executivo nacional "tapar o sol com a peneira".

"A nível nacional, é indiscutível que a situação está a complicar-se e que a generalidade dos portugueses já compreendeu que a alegada 'viragem da página da austeridade' não aconteceu, nem vai acontecer", disse o governante madeirense no início do debate na Assembleia Legislativa da Madeira (ALM) sobre o 'Estado da Região'.

Albuquerque sublinhou que "não vale a pena o Governo Nacional tapar o sol com uma peneira", apontando que "os números são irrefutáveis" no primeiro semestre deste ano, demonstram a "estagnação do crescimento económico, diminuição abrupta do investimento, quebra das exportações, aumento do desemprego, crescimento do clima de desconfiança dos mercados e dos parceiros europeus relativamente à trajectória do país".

O chefe do executivo regional salientou, por outro lado, que a Madeira "recuperou a credibilidade juntos das instituições, dos cidadãos e dos mercados" e prossegue "um processo de recuperação económica e social", sublinhando que a retoma é um sinal positivo, embora admitindo que "subsistem problemas sociais" que merecem atenção da governação regional.

Albuquerque enunciou as medidas que o executivo madeirense tomou desde que tomou posse a 20 de Abril de 2015 nas diferentes áreas, como a construção do novo hospital, que representa um investimento de 340 milhões de euros, cuja candidatura a projecto de interesse comum já foi entregue ao Governo da República, o subsídio de mobilidade nos transportes aéreos e os resultados obtidos no sector do turismo.

O governante também rejeitou as críticas dos deputados da oposição madeirense por continuarem a "afirmar aos sete ventos que não houve desagravamento fiscal na Madeira, da mesma forma que poderiam dizer que a terra é plana e que o sol gira ao seu redor".

O líder insular ainda censurou "a recente tentativa do BE na Assembleia da República para destruir a competitividade e os empregos do Centro Internacional de Negócios [da Madeira]".

O debate sobre o 'Estado da Região' começou com o parlamento madeirense a observar um minuto de silêncio pelas vítimas do atentado de quinta-feira à noite, em Nice, na Promenade des Anglais, quando decorria um fogo-de-artifício para celebrar o Dia de França.

O último balanço aponta para 84 mortos e uma centena de feridos, 18 dos quais continuam em estado considerado crítico.
Ver comentários
Saber mais Miguel Albuquerque Portugal Albuquerque Madeira Governo da República Governo Nacional
Outras Notícias