Política Ministra da Saúde e Conselho Diretivo da ADSE chamados ao Parlamento

Ministra da Saúde e Conselho Diretivo da ADSE chamados ao Parlamento

Em causa está a eventual suspensão das convenções com a ADSE por parte de vários grupos privados de saúde, entre os quais o grupo José Mello Saúde (que gere os hospitais CUF) e a Luz Saúde.
Ministra da Saúde e Conselho Diretivo da ADSE chamados ao Parlamento
Pedro Catarino
Negócios 13 de fevereiro de 2019 às 11:49

A comissão de Saúde aprovou hoje por unanimidade a audição da ministra da Saúde e do Conselho Diretivo da ADSE sobre "a ameaça" de interrupção da prestação de cuidados de saúde a beneficiários do subsistema, segundo o BE.

 

A audição foi pedida por requerimento do Bloco de Esquerda (BE) que pretende ouvir a ministra da Saúde, Marta Temido, o Conselho Diretivo da ADSE e o Conselho Geral e de Supervisão da ADSE sobre "a chantagem dos hospitais privados e ameaça de interrupção da prestação de cuidados de saúde a beneficiários do subsistema".

 

"Os principais grupos económicos a operar na área da saúde em Portugal ameaçaram acabar com os acordos que têm com a ADSE, obrigando os beneficiários do subsistema a pagar, à cabeça, a totalidade dos cuidados de saúde prestados nos hospitais privados", refere o BE.

 

"Estes são os mesmos grupos económicos -- Luz Saúde, José Mello Saúde, Lusíadas, Trofa e Hospital Privado do Algarve -- que entre 2015 e 2016 sobrefaturaram, indevida e abusivamente, 38,8 milhões de euros à ADSE", acrescenta.

 

Em causa está a eventual suspensão das convenções com a ADSE por parte de vários grupos privados de saúde, entre os quais o grupo José Mello Saúde (que gere os hospitais CUF) e a Luz Saúde.

 

Na comissão de Saúde de hoje foi ainda aprovado, por unanimidade, o requerimento do Bloco de Esquerda para uma audição de responsáveis da Autoridade do Medicamento (Infarmed) sobre ruturas de medicamentos em farmácias.

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI