Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ministros das Finanças da UE vão discutir emissão de obrigações europeias para ajudar a Grécia

Os ministros das finanças europeus deverão discutir na próxima semana se um possível resgate da Grécia será financiado através da emissão de obrigações europeias, garantidas pelos governos da região.

Hugo Paula hugopaula@negocios.pt 12 de Março de 2010 às 13:27
  • Partilhar artigo
  • 5
  • ...
Os ministros das finanças europeus deverão discutir na próxima semana se um possível resgate da Grécia será financiado pela emissão de obrigações europeias, garantidas pelos governos da União Europeia, noticia a Bloomberg citando três fontes com conhecimento das reuniões que vão decorrer a 15 e 16 de Março.

Os lideres da União Europeia sinalizaram que poderão avançar com ajudas à Grécia se for necessário, apesar de a Chanceler da Alemanha Angela Merkel ainda não ter declarado publicamente que aprova essa opção. A Alemanha é o país mais rico da União Europeia, sendo, entre as principais economias, a que tem a maior propensão para poupar.

Uma alternativa à emissão de obrigações europeias é a concessão de empréstimos à Grécia, pelos restantes países da União Europeia, para ajudar o país a financiar o seu défice das contas públicas, segundo a Bloomberg.

A opção pela emissão de obrigações europeias terá que ser aprovada por todos os 27 Estados-membros da União Europeia. A reunião dos ministros das Finanças inicia a segunda-feira apenas com os ministros do euro e prossegue na terça-feira com os restantes.

As obrigações gregas estabilizaram no último mês e o governo anunciou um plano de austeridade de 4,8 mil milhões de euros, para reduzir o défice de 12,7% do Produto interno bruto do país, no ano passado.

Os ministros da União Euroepeia também deverão discutir se o mecanismo a ser utilizado num eventual resgate da Grécia deverá ser formalizado, para utilizar noutras crises, ou será um caso isolado. Uma das três fontes consultada pela Bloomberg, disse que os empréstimos à Grécia só avançam se forem necessários para evitar um incumprimento por parte do país helénico.

Ver comentários
Outras Notícias