Obrigações Moody’s elogia gestão activa da dívida mas alerta para vulnerabilidade de Portugal

Moody’s elogia gestão activa da dívida mas alerta para vulnerabilidade de Portugal

A Moody’s enaltece os esforços de gestão da dívida pública feitos por Portugal, mas o seu valor total continua “muito elevado” e deixa o país mais exposto a mudanças no sentimento dos investidores.
Moody’s elogia gestão activa da dívida mas alerta para vulnerabilidade de Portugal
Bloomberg
Sara Antunes 05 de fevereiro de 2018 às 12:57

Depois de o Governo ter anunciado mais um reembolso antecipado ao Fundo Monetário Internacional (FMI), a Moody’s emitiu uma nota onde realça os pontos positivos e negativos. Por um lado, tem havido uma gestão de dívida activa que tem melhorado o perfil de crédito de Portugal, por outro o valor da dívida total do país continua muito elevado, deixando o país mais vulnerável às oscilações no sentimento dos investidores.

 

"As políticas do Governo de gestão activa da dívida melhoraram a resiliência do perfil de dívida" do país. "Por exemplo, as obrigações do governo português representam apenas menos de metade da dívida total do Estado", tendo em conta os valores de Novembro de 2017, realça a Moody’s na nota emitida esta segunda-feira, 5 de Fevereiro.

 

A agência salienta que "os testes de stress [feitos pela Moody’s] sugerem que é difícil gerar um aumento significativo no custo médio da dívida no curto prazo", ainda assim, "a carga total de dívida continua a ser muito elevada face aos pares, em cerca de 127% do PIB e esperamos que as taxas de juro da dívida soberana continuem mais sensíveis a mudanças no sentimento dos investidores do que a maioria dos países periféricos europeus", acrescenta.

Esta nota surge depois de o Governo ter anunciado mais um pagamento antecipado, agora no valor de 800 milhões, ao FMI. "Este pagamento conclui a autorização pedida e permite pagar a totalidade da tranche mais cara do empréstimo ao FMI", explicou o secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, no dia 22 de Janeiro. O mesmo responsável adiantou que fica ainda por pagar um total de 4,5 mil milhões de euros ao FMI com uma taxa de juro a rondar 1%.


A Moody's é actualmente a única agência de "rating" que ainda tem Portugal na categoria de "lixo", algo que poderá ter os dias contados, já que está previsto que a Moody's emita uma nota de análise em Abril, altura em que deverá melhorar a notação financeira do país.