Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Moody’s: "A consolidação orçamental de Portugal tem de continuar por muitos, muitos anos"

A agência de "rating" diz que a Irlanda tem uma maior "capacidade" de crescimento económico do que Portugal. A Moody’s precisa de "ter maiores certezas" de que o crescimento do PIB português assente nas exportações "terá os resultados desejados" e sublinha que, do ponto de vista do "rating", "não faz muita diferença se há uma saída limpa ou uma linha cautelar".

Miguel Baltazar/Negócios
  • Assine já 1€/1 mês
  • 17
  • ...

"Quando levámos o rating [de Portugal] para 'non-investment grade' [lixo] receávamos a reestruturação da dívida", explicou a vice-presidente e analista sénior da Moody's, Kathrin Muehlbronner (na foto), em declarações proferidas num encontro com jornalistas após uma conferência da agência de notação financeira em Lisboa.

 

A responsável salientou que apesar de Portugal ter recuperado o acesso ao mercado, "as perspectivas de crescimento e os níveis de endividamento continuam a ser uma preocupação". A agência prevê uma "estabilização e um regresso a um crescimento moderado" da economia.

 

Kathrin Muehlbronner admite que "Portugal e outros países fizeram muito em termos de

Portugal e outros países fizeram muito em termos de reformas estruturais e isso deverá levar a um maior crescimento no futuro. A questão é quando e em que medida.
 
Kathrin Muehlbronner
Vice-presidente e analista sénior
da Moody's

reformas estruturais e isso deverá levar a um maior crescimento no futuro. A questão é quando e em que medida". "Mas ainda há muito a fazer. Como alertou o FMI, a consolidação orçamental tem de continuar por muitos e muitos anos", alerta a responsável.

 

"Não faz muita diferença" se há uma saída limpa ou uma linha cautelar

 

A responsável da Moody’s rejeitou fazer "recomendações ao Governo", mas diz que "não faz muita diferença se há uma saída limpa ou uma linha cautelar".

 

Quanto à possibilidade de a agência de "rating" vir a rever em alta a notação ou, pelo menos, a perspectiva da mesma, Kathrin Muehlbronner "diz que ter subido a perspectiva para 'estável', em Novembro, foi um primeiro passo significativo". A Moody's deverá voltar a pronunciar-se sobre o risco da dívida soberana portuguesa a 9 de Maio. "Vamos analisar as tendências na altura".

 

"Quando subimos o rating da Irlanda, não foi importante saber se o país iria ou não ter uma linha cautelar", explicou Kathrin Muehlbronner. Contudo, "o rating de Portugal não seguirá necessariamente o da Irlanda, pela maior capacidade de crescimento da economia irlandesa. Estamos mais preocupados quanto à capacidade de Portugal atingir um crescimento sustentável", disse a reponsável.

 

"A Irlanda é uma economia mais aberta, ainda que em Portugal as exportações estejam a aumentar, o que é um sinal positivo. Mas teremos de ter maiores certezas de que o modelo de crescimento em Portugal, através das exportações, terá os resultados desejados", explicou a responsável que se encontra em Portugal. 

 

Portugal já tem acesso ao mercado, diz a Moody's 

 

"Portugal tem acesso ao mercado, temos de reconhecê-lo, tem tido a capacidade de se financiar nos mercados. No entanto, na Irlanda a diferença entre a taxa de juro e a taxa de crescimento do PIB era [à saída do programa irlandês, em Dezembro] inferior do que é hoje em Portugal", acrescentou. "Seria importante ver as taxas de juro em Portugal caírem mais."

 

Para consolidar a situação de Portugal no mercado de dívida, a Moody's não enjeita os benefícios de um acordo entre os três maiores partidos mas diz que "depende de que tipo de acordo seria". "Diria que um compromisso de todos os países para manter a consolidação orçamental e manter as áreas chave do programa da troika seria algo, certamente, positivo", atirou.

 

(Notícia actualizada às 14h11 com mais declarações)

Ver comentários
Saber mais Moody's rating agência de rating
Outras Notícias