Empresas Mossack Fonseca vai fechar portas após escândalo dos Papéis do Panamá

Mossack Fonseca vai fechar portas após escândalo dos Papéis do Panamá

A sociedade de advogados panamiana Mossack Fonseca, cujos ficheiros serviram de base a uma investigação dos media internacionais que em 2016 deu conta de uma rede de ligações a paraísos fiscais usadas por todo o mundo, vai encerrar.
Negócios 14 de março de 2018 às 22:09

A Mossack Fonseca, firma de advocacia panamiana que esteve no centro da investigação denominada Papéis do Panamá [Panama Papers], anunciou esta quarta-feira, citada pela Reuters, que vai fechar portas devido aos danos económicos e reputacionais que sofreu devido ao seu papel nesta fuga fiscal que se tornou dos grandes escândalos mundiais de 2016.

 

Os Papéis do Panamá surgiram no âmbito de uma investigação levada a cabo por vários jornais mundiais e coordenada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas. Em causa estavam ligações a paraísos fiscais de centenas de pessoas, entre as quais 140 antigos e actuais dirigentes mundiais. 

A informação, com base nos ficheiros da Mossack Fonseca [especializada na criação de sociedades offshore], lançou luz, em Abril de 2016, sobre um mundo onde se movem milionários, governantes mundiais e outras figuras ligadas a esquemas de fuga aos impostos e lavagem de dinheiro. 

 

Menos de um ano depois de eclodir o escândalo dos Papéis do Panamá, a Mossack Fonseca sofreu novo abanão. Em Fevereiro de 2017, os dois sócios principais da sociedade de advogados foram detidos por alegado envolvimento no "Lava Jato", o maior caso de corrupção do Brasil. A acusação dizia que a firma teria actuado como organização criminosa dedicada a ocultar activos de origem suspeita no âmbito do caso "Lava Jato".

Já no mês passado, os escritórios da Mossack Fonseca foram alvo de rusga, na procura de possíveis ligações à construtora brasileira Odebrecht, que admitiu ter pago subornos entre 2010 e 2014 a responsáveis do Panamá e de outros países para obter contratos na região.

Todos estes projectores apontados à Mossack acabaram por prejudicar irremediavelmente a sua reputação e credibilidade, vendo-se a firma agora obrigada a apagar as luzes e a fechar a porta. De vez.




pub