Saúde Municípios querem gerir horários de centros de saúde

Municípios querem gerir horários de centros de saúde

"Gerir horários, gerir a manutenção, o pessoal auxiliar e administrativo e serviços disponibilizados à população" são as competências pretendidas pelos Conselhos Metropolitanos de Lisboa e Porto no caso dos centros de saúde.
Municípios querem gerir horários de centros de saúde
Negócios 20 de fevereiro de 2018 às 11:57

A descentralização pretendida pelo Governo não pode passar unicamente pela passagem do edificado de serviços públicos para as autarquias. Tem de passar pela sua gestão. A decisão sobre os horários de trabalho dos centros de saúde é um dos exemplos de poderes que os municípios querem ter, segundo assumido ao Jornal de Notícias pelo Conselho Metropolitano do Porto, em sintonia com o congénere da região de Lisboa.

 

"Queremos intervir nos horários dos centros de saúde. Estão desajustados. Quem trabalha não consegue ir fora do horário laboral", afirmou ao JN Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Gaia que lidera o Conselho Metropolitano do Porto e que, esta terça-feira, 20 de Fevereiro, participa numa cimeira conjunta com o Conselho Metropolitano de Lisboa, presidido por Fernando Medina, o edil da capital.

 

O funcionamento durante a noite, "até às 23:00 ou 00:00", é uma das propostas avançadas ao jornal pelo líder do Conselho Metropolitano do Porto. "Gerir horários, gerir a manutenção, o pessoal auxiliar e administrativo e serviços disponibilizados à população" são as competências pretendidas pelo poder local no caso dos centros de saúde.

 

Na cimeira desta terça-feira, haverá uma reunião preparatória para a resposta ao pacote de descentralização que as duas áreas querem propor ao Governo. Segundo Eduardo Vítor Rodrigues, não pode haver a "mera resolução de problemas pontuais, de licenças, pequenas obras e arranjos em escolas e centros de saúde".

 

Já desde Janeiro que se sabe que as áreas metropolitanas queriam avançar com uma contraproposta relativa à descentralização, nomeadamente por pretenderem "ir mais longe" no processo. Em Março, haverá negociação com os presidentes de todos os municípios das regiões para depois haver a negociação com o Executivo. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 20.02.2018

Hoje é fácil ser médico. Existem meios de diagnóstico que ajudam muito os médicos. Existem muitos médicos que querem trabalhar. Os Centros de Saúde podem atender mais pessoas sem as finanças locais serem prejudicadas.

pub