Política Negociações Governo/PSD sobre fundos europeus arrancam terça-feira

Negociações Governo/PSD sobre fundos europeus arrancam terça-feira

Pedro Marques e Manuel Castro Almeida serão os negociadores do lado do Governo e do PSD, respectivamente, para os fundos estruturais. Em cima da mesa estará a reprogramação do Portugal 2020 e a preparação do Portugal 2030.
Negociações Governo/PSD sobre fundos europeus arrancam terça-feira
Miguel Baltazar
Marta Moitinho Oliveira 23 de fevereiro de 2018 às 12:53

Os negociadores do Governo e do PSD já agendaram o primeiro encontro para discutir os fundos estruturais, com o objectivo de atingir um entendimento.

Ao Negócios, fonte oficial do Executivo avançou que a reunião está marcada para a próxima terça-feira, 27 de Fevereiro. Em cima da mesa estarão dois assuntos: a reprogramação do Portugal 2020 e a preparação do Portugal 2030, avançou a mesma fonte.


Os fundos estruturais, a par da descentralização, foram os dossiês escolhidos pelo PSD e pelo Governo para começar conversações que permitam consensos.


Pedro Marques, o ministro das Infra-estruturas e do Planeamento, será o representante do Governo nestas negociações. Do lado do PSD, será Manuel Castro Almeida, vice-presidente do partido, quem lidera este dossiê.


A nova liderança do PSD tomou posse no domingo passado, no Congresso que entronizou o presidente Rui Rio, depois de a 13 de Janeiro ter vencido as eleições directas por 54% dos votos.

A aprovação da moção de Rio no Congresso deu ao novo presidente um mandato para abrir a porta ao diálogo com o PS, que identificou um conjunto de áreas onde serão tentados consensos.

 

As negociações com vista a acordos vão começar pela descentralização e pelos fundos estruturais, deixando para uma segunda fase a Justiça e a Segurança Social.

Ao mesmo tempo que Rio avança nos contactos com Governo, partidos e Presidente da República, internamente continua a enfrentar contestação. Os primeiros dias na São Caetano à Lapa foram de contestação, com a nova vice-presidente Elina Fraga debaixo de fogo e a eleição para a liderança parlamentar a revelar divisões.    




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 23.02.2018

Descubram o que os deputados escreveram nos votos nulos: http://piratasdoreino.blogspot.pt/2018/02/o-que-diziam-os-votos-nulos.html

O PSD era a única peça que faltava ao governo... 23.02.2018

Estamos em ditadura! Perderam as eleições mas dominaram todos os partidos da oposição! O PSD foi o último "obstáculo" a ser eliminado ... Estamos a caminho do socialismo...

António 23.02.2018

Vem aí um bolo recheado de muitos milhões, e vamos reunirmos para tratar das fatias que cabe a cada um, distribuídas pelos grupos de Jobs for de boys e claro pelos tachos políticos de cada um dos nossos parceiros políticos. Isto até já se faz desde a década de oitenta.

Desculpem, mas... 23.02.2018

O carácter político do derrotado-oportunista-usurpador é-me REPUGNANTE.
A nova gerência do PSD, como 1º gesto, lamber as botas ao oportunista foi-me REPUGNANTE.
Foram ultrapassados os meus limites de asco, sempre votei PSD mas nas próximas eleições voto nulo, e fazer um pirete no boletim.

pub