Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

"Nem o Syriza vai poder ter aquilo que quer nem a Europa pode continuar numa ortodoxia austeritária", diz Teixeira dos Santos

O ex-ministro das Finanças Teixeira dos Santos considera que a Europa está a dar sinais de que é precisa uma mudança, já que o "ajustamento austeritário" que se tem vindo a impor não deu resultado. Exemplo disso é a Grécia. Mas o Syriza de Alexis Tsipras não terá tudo o que pretende.

Carla Pedro cpedro@negocios.pt 03 de Fevereiro de 2015 às 22:54
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

Fernando Teixeira dos Santos sublinhou esta noite, em entrevista à RTP, que se vive neste momento uma fase de mudança na Europa "que tem a ver com a constatação de que o ajustamento austeritário que se tem vindo a impor não deu resultado". E dá como exemplo, a recessão e o aumento do desemprego.

 

"Como não deu resultado, a Europa está a mudar. Mario Draghi [presidente do Banco Central Europeu] já alertou para isso no Verão passado, ao dizer que o que o BCE faz não basta e que os governos têm também de avançar com medidas", afirmou o antigo ministro das Finanças.

 

Para Teixeira dos Santos, "há aqui uma mudança que se começou a sentir com a mudança na presidência da Comissão Europeia, com Jean-Claude Juncker a querer dinamizar o crescimento das economias".

 

E "é neste quadro que temos de enquadrar o que está a acontecer na Grécia em especial. Foi o país mais vitimado [dos que beneficiaram programas de ajustamento] por esta política europeia de austeridade, com 27% de desemprego e uma quebra da produção em 25%. Isto não pode ser ignorado. E é neste quadro que a Europa está a dar sinais de que é preciso uma mudança", acrescentou.

 

Na sua opinião, "vai ter de haver bom senso de parte a parte". "Nem o Syriza vai poder ter aquilo que quer nem a Europa pode continuar numa ortodoxia austeritária como tem vindo a fazer".

 

Sobre se Portugal deve ir no encalce de Atenas relativamente ao pedido de indexamento do pagamento da dívida ao seu crescimento económico, o ex-governante considera que, se essa solução for adoptada na Grécia, "isso será benéfico para Portugal". No entanto, lembra, o problema da dívida não é só da Grécia ou de Portugal. "É também um problema espanhol, belga, irlandês… é um problema da área do euro".

 

Questionado por Fátima Campos Ferreira sobre se o governo português tem feito bem em olhar de soslaio para a Grécia e não afinar pelo mesmo diapasão, Teixeira dos Santos sublinhou que o actual Executivo "está a fazer o que sempre fez", "alinhou sempre muito pela orientação de política que a Europa tem vindo a defender, muito sob a égide da Alemanha".

 

"O governo mantém, nesse sentido, a coerência com aquilo que foi a sua postura e a sua política. Não me parece contudo que seja um governo capaz de gerir uma mudança", rematou.

Ver comentários
Saber mais Fernando Teixeira dos Santos Europa Mario Draghi presidente do Banco Central Europeu Comissão Europeia BCE Jean-Claude Juncker Grécia Portugal
Mais lidas
Outras Notícias