Política Nuno Magalhães defende que CDS tem de fazer "o seu caminho"

Nuno Magalhães defende que CDS tem de fazer "o seu caminho"

O líder parlamentar do CDS reiterou que o "PS e a maioria das esquerdas" são os adversários dos centristas.
Nuno Magalhães defende que CDS tem de fazer "o seu caminho"
Lusa 10 de março de 2018 às 17:02

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, elogiou, este sábado, a primeira intervenção da líder do partido no Congresso, em que reiterou que o PSD não é adversário, mas defendeu que os democratas-cristãos têm de "fazer o seu caminho", avança a Lusa.


"Sempre fomos claros e eu fico muito contente que a Assunção [Cristas] tenha sido clara, primeiro o CDS tem de fazer o seu caminho para que haja uma maioria de 116 deputados de centro-direita", afirmou Nuno Magalhães, em declarações aos jornalistas, à margem no 27.º Congresso do partido, que decorre até domingo, em Lamego.


Questionado se existe algum "problema" do CDS-PP com o PSD, Nuno Magalhães recusou tal ideia, sublinhando que o adversário dos centristas é "o PS e a maioria das esquerdas".


Por isso, continuou, o CDS-PP tudo irá fazer para que seja alcançada uma maioria de 116 deputados na Assembleia da República, para fazer "um Governo de dois partidos de centro-direita que não fingem que se entendem, que se entendem sem artificialismos, sem teatrinho", sem fingir que é oposição "à segunda, quarta e sexta", e que é Governo "à terça, quinta e sábado".


"Os portugueses sabem isso, sempre que nos deram capacidade em momentos muito difíceis para assumir o Governo, CDS e PSD souberam fazer das suas divergências, convergências, com ideias diferentes, histórias diferentes e pessoas diferentes conseguiram fazer Governos coesos", sublinhou, lembrando o último executivo liderado por Pedro Passos Coelho, que "salvou o país da bancarrota".


"Cada um tem de fazer o seu caminho, as maiores felicidades para o PSD, o CDS vai trabalhar por si próprio", acrescentou.


Nuno Magalhães deixou ainda elogios ao "belíssimo discurso" da líder do partido, que falou sobre os objectivos do CDS-PP nos próximos dois anos, mas também soube galvanizar o Congresso.


"Galvanizou, mobilizou e entusiasmou o congresso; é fundamental num líder também", afirmou, considerando que agora é preciso "ir para a rua e trabalhar".


Também em declarações aos jornalistas, o deputado António Carlos Monteiro deixou igualmente elogios ao primeiro discurso de Assunção Cristas no Congresso do CDS-PP, destacando as propostas concretas que apresentou e a ambição mostrada de disputar a "primeira linha".


"Essa deve ser a nossa ambição, mas é preciso trabalhar, nenhum partido é dono dos votos, temos de os merecer", referiu.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub