Política Nuno Melo, Nuno Magalhães e Adolfo Mesquita Nunes concordam com "ambição máxima"

Nuno Melo, Nuno Magalhães e Adolfo Mesquita Nunes concordam com "ambição máxima"

Cerca de 1.200 delegados estão reunidos entre sábado e domingo, em Lamego, no 27.º Congresso do CDS-PP, onde irá ser aprovada a estratégia do partido para os próximos dois anos.
Nuno Melo, Nuno Magalhães e Adolfo Mesquita Nunes concordam com "ambição máxima"
Lusa 10 de março de 2018 às 13:12
Os vice-presidentes do CDS-PP Adolfo Mesquita Nunes e Nuno Melo, tal como o líder parlamentar Nuno Magalhães, manifestaram, este sábado, total apoio à estratégia da líder Assunção Cristas de ir sozinha a votos, defendendo a "ambição máxima" do partido, avança a Lusa.


"O CDS tem de olhar para si próprio, tem que fazer o seu caminho, olhando, como quando se conduz, para a frente, quem olha muito para o retrovisor e para os lados pode ter desgostos", afirmou Nuno Magalhães à entrada para o 27.º Congresso do CDS-PP, em Lamego (Viseu).


Questionado sobre a frase de Assunção Cristas ao Expresso, de que considera ser melhor que o líder do PSD, Rui Rio, Nuno Magalhães disse que a presidente do CDS-PP respondeu a uma pergunta.


"Acho que demonstra confiança, ambição e autenticidade, é o que ela pensa e eu também", disse.


Também o vice-presidente e eurodeputado Nuno Melo salientou que, como militante do CDS-PP, entende sempre que a sua presidente "é a melhor das candidatas"


"Vamos com ambição máxima a votos e depois será o que os eleitores quiserem", defendeu.

Para Nuno Melo, se o anterior congresso "elegeu a presidente Assunção, este é o congresso que, com muita naturalidade, a vai consagrar líder".


Na mesma linha, o vice-presidente Adolfo Mesquita Nunes salientou que a estratégia de o partido ir sozinho a votos foi definido no último congresso.


"Faz sentido que o CDS continue a afirmar o seu espaço, espero que cresça também para termos 116 deputados para sermos alternativa sensata", disse.


Questionado se acredita que Assunção Cristas pode ser primeira-ministra, Adolfo Mesquita Nunes respondeu: "Desde que vi Portugal ganhar a Eurovisão que acredito que o CDS possa ser a primeira força política".




pub