Negócios num minuto  O que é que está a acontecer aos partidos do centro-esquerda?

O que é que está a acontecer aos partidos do centro-esquerda?

As eleições italianas e a derrota eleitoral do PD de Matteo Renzi vieram adensar a crise dos partidos europeus do centro-esquerda que já se alastra a quase toda a Europa. O jornalista David Santiago analisa a crise das forças sociais-democratas.
A carregar o vídeo ...
Negócios 06 de março de 2018 às 15:08



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 06.03.2018

O Renzi previa fazer uma reforma séria da administração pública que incluía modernizar e liberalizar o mercado laboral e os dos restantes factores produtivos, à imagem e semelhança dos nórdicos. O anarco-sindicalismo, que é transversal à classe média de todo o sul da Europa, ficou logo de pé atrás e como tem poucos escrúpulos na hora de meter a mão no dinheiro dos outros, sejam eles contribuintes ou consumidores, deu em debandar a passo largo para a esquerda e para a direita, pouco se importando com os extremismos de um ou do outro lado.

comentários mais recentes
pertinaz 07.03.2018

É SIMPLES... NINGUÉM CONFIA NA ESCUMALHA DE ESQUERDA...!!!

Não sei 06.03.2018

por aqui a direitalha foi corrida ao pontapé

Anónimo 06.03.2018

O Renzi previa fazer uma reforma séria da administração pública que incluía modernizar e liberalizar o mercado laboral e os dos restantes factores produtivos, à imagem e semelhança dos nórdicos. O anarco-sindicalismo, que é transversal à classe média de todo o sul da Europa, ficou logo de pé atrás e como tem poucos escrúpulos na hora de meter a mão no dinheiro dos outros, sejam eles contribuintes ou consumidores, deu em debandar a passo largo para a esquerda e para a direita, pouco se importando com os extremismos de um ou do outro lado.

pub