Economia O dia num minuto: novo acto na guerra entre Costas, os salários do BCE, o travão às pensões e o World Press Photo

O dia num minuto: novo acto na guerra entre Costas, os salários do BCE, o travão às pensões e o World Press Photo

O Banco de Portugal marcou reunião com Governo e CMVM para , após novas críticas de António Costa. O conselho de ministros aprovou o travão às reformas antecipadas. O BCE aumentou os lucros e os salários do seu conselho de governadores.
O dia num minuto: novo acto na guerra entre Costas, os salários do BCE, o travão às pensões e o World Press Photo
Bruno Simão
Negócios 18 de fevereiro de 2016 às 20:06

Banco de Portugal aceita falar do papel comercial. Depois dos ataques de António Costa, o Banco de Portugal veio na quinta-feira dizer que já tinha marcado uma reunião com a CMVM e o representante do Governo para falar sobre o papel comercial dos lesados do BES. O encontro realiza-se "esta semana". António Costa voltou esta quinta-feira a repetir as críticas feitas na véspera, acusando o Banco de Portugal de estar a adiar "aquilo que é o mínimo num Estado de Direito". Contudo, lembra que o regulador "goza de independência". Instado a comentar o caso, o anterior primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que decidiu a recondução de Carlos Costa como governador do Banco de Portugal, disse apenas: "Há factos que têm gravidade, não vou disfarçar, e que se estão a passar em Portugal."

 

Governo aprova travão às reformas antecipadas. O Conselho de Ministros aprovou na quinta-feira o diploma que altera as regras de acesso às pensões antecipadas na Segurança Social. Quando o decreto entrar em vigor, as pensões antecipadas passam a estar acessíveis apenas para quem aos 60 anos de idade tenha pelo menos 40 anos de carreira contributiva, à semelhança do que aconteceu ao longo do ano passado. Houve outras medidas a passar pela sala do edifício da Gomes Teixeira. O Executivo aprovou também o desconto de 0,75 pontos na TSU paga pelas empresas nos trabalhadores que ganham o salário mínimo, a vigorar até Fevereiro de 2016. O Governo deu também luz verde à nova modalidade dos prémios da Factura da Sorte. Em vez de Audis, o Fisco vai passar a sortear Certificados do Tesouro Poupança Mais. O valor pecuniário deverá manter-se em redor dos 40 mil euros.

 

As preocupações de Dijsselbloem e o plano de trabalho de Costa. O presidente do Eurogrupo voltou a referir, desta vez em audiência no Parlamento Europeu, que "existem preocupações graves" em relação a Portugal, referindo-se às reservas sobre o Orçamento do Estado e a pressão sobre Portugal nos mercados. Mas disse também que "o Governo está consciente da situação, e manifestou o seu empenho forte e sincero para cumprir o PEC". António Costa esteve reunido com Jean-Claude Juncker, à margem da cimeira europeia. À saída afirmou que ficou definido "um plano de trabalho" até Abril, data em que os Estados-membros devem apresentar a Bruxelas os seus programas de estabilidade e crescimento. Salientou também que os juros "têm vindo regularmente a baixar".

 

OCDE prevê crescimento mais lento. A OCDE está mais pessimista sobre a evolução da economia mundial, tendo feito uma revisão em baixa das suas projecções para este ano e o próximo. A organização espera agora que os Estados Unidos cresçam apenas 2% em 2016 (-0,5 pontos face a Novembro), o Japão 0,8% (-0,2 pontos) e a Zona Euro 1,4% (-0,4 pontos). Entre os emergentes, o Brasil sofre uma revisão drástica, antecipando-se agora uma recessão muito mais profunda, de -4%, quando antes as estimativas apontavam para -1,2%. Pode ver aqui o mapa com as previsões. Sobre a Zona Euro, a OCDE diz que a região arrisca "ficar presa num caminho de crescimento baixo, inflação baixa e com a confiança no crescimento de médio prazo demasiado fraco para gerar mais investimento e as inovações e realocações que poderiam fortalecer o crescimento da produtividade e do emprego". As novas projecções  mostram uma forte travagem na actividade na Alemanha, que sofre uma revisão em baixa de 0,5 pontos percentuais face às previsões feitas em Novembro.

 

Dívida de Portugal ao exterior encolhe, mas continua enorme. O que Portugal deve ao exterior continua a ser muito superior ao que o exterior deve a Portugal. A diferença é superior ao PIB português. A dívida externa líquida do país era de 101,6% do PIB no final de 2015, segundo os dados publicados hoje pelo Banco de Portugal. Um recuo face aos 104,6% registados um ano antes. O alívio observado em 2015 é uma boa notícia. No entanto, está ainda muito longe dos valores anteriores à crise financeira, já que a dívida externa portuguesa estava nos 64,7% do PIB em Dezembro de 2007. Os números divulgados na quinta-feira dão também conta de uma evolução positiva do excedente externo, com a balança corrente e de capital - que mede o equilíbrio entre a economia portuguesa e o exterior – a crescer de 1,6% para 1,7% do PIB.

 

Os lucros do BCE e o salário de Constâncio. O Banco Central Europeu divulgou os resultados de 2015. A autoridade monetária teve lucros de 1.082 milhões de euros, mais 9,4% do que no ano anterior. Tendo em conta a participação do Banco de Portugal na instituição, o ano rendeu 27 milhões de euros aos cofres da Rua do Comércio. A maior fatia vai para o Deutsche Bank: 276,6 milhões de euros. O relatório anual dos resultados indica ainda o salário dos membros do conselho de governadores. O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, ganhou 385.860 euros em 2015, 1,64% mais do que no ano anterior. A remuneração base de Vítor Constâncio, vice-presidente do BCE, foi de 330.744 euros, também um aumento de 1,64% em relação a 2014, precisou o BCE.

 

Pedro Santos Guerreiro assume direcção do Expresso, Ricardo Costa da SICPedro Santos Guerreiro, que ingressou no grupo Impresa em 2013, depois de ter passado pela direcção do Jornal de Negócios, vai ser o novo director do Expresso. Martim Silva transita de editor para director executivo. João Vieira Pereira, Miguel Cadete e Nicolau Santos mantêm-se como os directores-adjuntos. Ricardo Costa, até aqui director do Expresso, vai passar a ser director-geral de informação da Impresa e director da SIC, a partir de 6 de Março. Mas há mais mudanças na estrutura editorial da Impresa. Na nova direcção de informação da Impresa, que não existia até aqui e que vai agrupar todas as publicações do grupo, Ricardo Costa é o director-geral, juntamente com Alcides Vieira e Henrique Monteiro, que serão seus adjuntos.

 

As contas da Brisa como sinal de retoma. A Brisa Concessão Rodoviária (BCR), que gere as auto-estradas da concessão principal da Brisa, registou no ano passado um resultado líquido de 79,5 milhões de euros, o que representa um aumento de 90% a 2014. Em comunicado, o grupo revela que as receitas de portagem subiram 6,7% para os 481,2 milhões de euros, ou seja, mais 30,1 milhões de euros, num ano em que não houve lugar a actualização das taxas. Na apresentação dos resultados anuais de 2015, a Brisa realça que "o enquadramento macroeconómico favorável tem-se traduzido numa melhoria sustentada do tráfego, que regista já o seu nono trimestre consecutivo de crescimento".

 

88 anos depois, um presidente americano visita Cuba. A notícia já corria e Barack Obama anunciou-o oficialmente através do Twitter: "No mês que vem, viajarei para Cuba para impulsionar o nosso progresso e os esforços que possam melhorar as vidas do povo cubano". A viagem está prevista para os dias 21 e 22 de Março. Será a primeira vez em 88 anos que um chefe de Estado norte-americano visita Havana. Durante os dois dias, está previsto um encontro de Obama com o presidente cubano Raul Castro. Barack Obama será "bem-vindo pelo Governo de Cuba e pelo seu povo" e recebido com a "hospitalidade" que o caracteriza, reagiu Josefina Vidal, directora-geral para os Estados Unidos no Ministério das Relações Exteriores de Cuba. Mas lembrou que "para chegar à normalização [das relações entre os dois países] teriam de solucionar-se assuntos-chave como o levantamento do bloqueio e a devolução do território ilegalmente ocupado de Guantanamo". 

 

Repórter português premiado pelo World Press Photo. A imagem de um homem a passar um bebé por debaixo de uma vedação de arame farpado através da fronteira entre a Hungria e a Sérvia, captada em Agosto do ano passado, relata um dos momentos mais tensos da crise dos refugiados às portas da Europa e valeu ao fotógrafo australiano Warren Richardson o grande prémio na edição do concurso World Press Photo relativa a 2015. O fotojornalista Mário Cruz, da agência Lusa, foi também um dos distinguidos, ao vencer o primeiro prémio na categoria "Contemporary Issues", com uma reportagem sobre tráfico e exploração de trabalho infantil no Senegal, com crianças senegalesas e guineenses. Pode ver aqui o trabalho do repórter fotográfico português premiado pelo World Press Photo, que afirmou hoje à Lusa esperar que a reportagem agora premiada possa chamar mais a atenção para o caso de escravatura e exploração de crianças no Senegal.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI