Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

O dia num minuto: O aviso da Fitch, o fecho da Groupon e as ambições de Guterres

A Fitch ameaça descer o “rating” se o défice derrapar. O Tribunal de Contas Europeu deixou críticas à forma como a Comissão geriu os resgates. Os Ficheiros Secretos estão de volta.

Miguel Baltazar/Negócios
Negócios jng@negocios.pt 26 de Janeiro de 2016 às 20:19
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Fitch ameaça descer "rating" se Costa falhar. António Costa não poderá dizer que a Fitch não avisou. A agência de notação de risco afirma numa nota divulgada na terça-feira que o "esboço" do Orçamento do Estado assenta em pressupostos "optimistas" e até "irrealistas" sobre a evolução da economia, o que agrava o risco de não ser alcançada a redução prometida do défice para 2,6% do PIB. Dado que as finanças públicas e a orientação da política orçamental são "variáveis-chave" na avaliação do "rating", "qualquer relaxamento resultante de uma trajectória menos favorável dos rácios de dívida poderá desencadear uma acção de 'rating' negativa, assim como um crescimento mais fraco que tenha impacto negativo sobre as finanças públicas".

 

Tribunal de Contas Europeu: Houve impreparação e inconsistência nos resgates. A Comissão Europeia estava impreparada para lidar com os resgates de países como Portugal e Irlanda, ignorou os sinais de alerta, foi inconsistente na aplicação das suas receitas e recorreu a métodos de previsão com qualidade limitada. Estas são algumas das conclusões de uma auditoria levado a cabo pelo Tribunal de Contas Europeu (TCE) que analisa a gestão, por parte da Comissão, da assistência financeira prestada a cinco países - Hungria, Letónia, Roménia, Irlanda e Portugal -, concluindo que a mesma foi "geralmente insuficiente". Um exemplo apontado: Enquanto a Hungria foi obrigada a cumprir 60 condições, a Portugal foram impostas 400 medidas, isto apesar de os países enfrentarem circunstâncias similares.

 

Jerónimo ajuda bolsa a subir pela quarta sessão. A praça portuguesa fechou em alta pela quarta sessão consecutiva, sustentada pelos ganhos da Jerónimo Martins, que avançou 4,7%, depois de se saber a taxa que o Governo polaco vai aplicar sobre as vendas, que acabou por ser mais baixa do que se temia. O PSI-20 encerrou a somar 1,6%, a acompanhar os ganhos do resto da Europa, num dia em que o petróleo também esteve em alta.

 

Dinamarca avança com confisco de bens de refugiados. O Parlamento dinamarquês deu mais um passo na senda europeia de imposição de restrições à chegada de refugiados a solo comunitário. Esta terça-feira, 26 de Janeiro, o Parlamento da Dinamarca aprovou um pacote legislativo que prevê, entre outras medidas, a possibilidade de confisco de bens materiais aos refugiados. A polícia dinamarquesa poderá revistar os requerentes de asilo e confiscar bens e dinheiro no valor superior a 10 mil coroas dinamarquesas (1.340 euros), uma medida que as autoridades garantem servir para ajudar a financiar os custos decorrentes do acolhimento de refugiados. Ficam  salvaguardados bens de valor sentimental. "Poderão ficar com as alianças", disse a ministra da Integração, Inger Stojberg.

 

Groupon fecha em Portugal. "Não existem condições para uma actividade lucrativa num futuro próximo". É assim que a Groupon justifica o anúncio de que vai encerrar as suas operações em Portugal, num email assinado por Nicola Cattarossi, director-geral da Groupon para o Sul da Europa. A Groupon garante que os "vouchers" entretanto adquiridos continuarão "válidos até à data acordada", mas que quem quiser receber um reembolso total do valor do seu "voucher" terá que comunicar essa intenção "antes do dia 15 de Março de 2016". A empresa norte-americana chegou a operar em 40 países, mas nos últimos meses tem vindo a encerrar operações em todo o mundo.

 

Guterres candidato a secretário-geral da ONU. António Guterres confirmou na segunda-feira à noite, no final de uma conferência sobre refugiados em Serralves, no Porto, que é candidato a secretário-geral da ONU, um cargo actualmente desempenhado pelo sul-coreano Ban Ki-moon, que termina o mandato a 31 de Dezembro deste ano. O ex-primeiro-ministro português admite que a candidatura não será fácil, mas diz-se disponível para lutar pelo cargo, por sentir a "obrigação" de "pôr a render" a experiência que adquiriu ao longo da vida. Leio o perfil que traça o percurso dessa vida.

 

Centeno defende reflexão sobre o modelo de supervisão. O ministro das Finanças quer um debate urgente, sem tabus, sobre qual deve ser o modelo de supervisão em Portugal. O apelo foi deixado por Mário Centeno na conferência sobre o desempenho do sector financeiro organizada pelo Instituto de Direito Económico Financeiro e Fiscal (IDEFF) da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Para o ministro, as perdas assumidas pelo sistema financeiro nos últimos anos, incluindo os problemas mais recentes, mostram a necessidade de alterações urgentes. "O Governo tomará como um inestimável contributo [a reflexão da sociedade civil] e as conclusões serão levadas em conta no processo de tomada de decisão" que ocorrerá, prometeu Mário Centeno. 

 

O regresso dos ficheiros secretos. Para os mais velhos é um ansiado regresso ao passado. Para os mais novos, habituados às séries da Fox e do Axn, pode ser uma revelação. Ficheiros Secretos, a série que na década de 90 revolucionou o conceito da ficção produzida para televisão, regressa esta terça-feira aos ecrãs. A partir das 22h15 a Fox oferece uma dose dupla de Ficheiros Secretos com a dupla de agentes do FBI, Dana Scully (Gillian Anderson) e Fox Mulder (David Duchovny).

Ver comentários
Saber mais Fitch Rating António Costa Orçamento Tribunal de Contas Europeu Comissão Europeia Resgate Jerónimo Martins Dinamarca Refugiados Groupon António Guterres ONU Mário Centeno Supervisão
Mais lidas
Outras Notícias