Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Obrigatoriedade imediata de seguros para o alojamento local em Lisboa preocupa setor

Ao contrário do que prevê a lei, que dá dois anos de adaptação, o novo regulamento do alojamento local aprovado pela Câmara de Lisboa obriga todos os operadores a ter de imediato um seguro de responsabilidade civil, alerta a ALEP.

Eduardo Miranda - ALEP
Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt 07 de Novembro de 2019 às 09:52
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O Regulamento do alojamento local, aprovado pela Assembleia Municipal de Lisboa esta terça-feira, "torna obrigatório de imediato para todos operadores o seguro de responsabilidade civil, quando a Lei do AL (Lei n.º 62/2018) diz explicitamente que os registos feitos antes da entrada em vigor da lei têm dois anos para se adaptar". O alerta vem da Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) que sublinha a "falta de rigor" e o facto de este tipo de "erros" gerar "incertezas e alguma confusão".

 

O novo regulamento aguarda ainda publicação em Boletim Municipal e, segundo a ALEP, acarreta preocupações várias para o setor, desde logo o facto de consubstanciar "constantes mudanças das regras do jogo, feitas sem tempo para ponderação, só para responder a questões político-partidárias do momento". Isto, sublinha em comunicado Eduardo Miranda, presidente da associação "causa um ambiente de incerteza e desconfiança no mercado".

 

No caso do regulamento para a capital, que vinha a ser preparado desde novembro do ano passado, verificou-se a "inclusão de última hora" do eixo Baixa/Liberdade/República/Almirante Reis nas zonas de contenção". A medida decorreu das negociações entre PS e Bloco de Esquerda na câmara e, diz a ALEP, "apanhou todos de surpresa".

 

Inicialmente esta era uma zona apresentada pela autarquia como sendo essencialmente terciária, para serviços, ficando, por isso, de fora das zonas de contenção, para as quais a regra geral é que não possam ser abertas novas unidades de alojamento local. A mudança de posição "contradiz os argumentos e conclusões tanto do Estudo elaborado pela Câmara, como da proposta inicial de Regulamento, afetando profundamente a confiança dos agentes económicos e a imagem da cidade junto dos investidores", lamenta Eduardo Miranda.

 

"Ao dizer ao mercado que estas eram áreas de serviço e que ficavam fora das zonas de contenção, a Câmara criou uma expectativa e direcionou investimentos para esta área. Houve quem investisse as suas economias de boa fé em projetos pensados para o AL e que agora, em geral pela demora dos processos de licenciamento por parte da própria Câmara, ficam sem poder avançar com o projeto ou a ter que repensar todo o investimento", afirma o responsável da ALEP.

 

Nessa zona, prossegue o comunicado, existe, aliás, "uma forte presença de serviços e projetos hoteleiros", pelo que, "proibir o alojamento local numa zona onde está boa parte da oferta hoteleira não faz sentido, acaba por criar na verdade uma Área de Proteção à Hotelaria", remata.

 

A ALEP destaca também aspetos "positivos" do regulamento, nomeadamente o facto de ter caído a exigência inicial de obrigatoriedade de instalação de aparelhos de ruído em todos os alojamentos. Esta passa a ser obrigatória apenas em caso de apresentação de queixas pelos vizinhos junto da câmara.

Ver comentários
Saber mais Associação do Alojamento Local em Portugal Lisboa Assembleia Municipal de Lisboa Eduardo Miranda ALEP Câmara economia negócios e finanças política autoridades locais turismo
Mais lidas
Outras Notícias