Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

OCDE prevê subida na taxa de desemprego em Portugal para 4,4%

A taxa de desemprego em Portugal vai subir para 4,4% este ano e abrandar para 4,3% em 2003, segundo as previsões hoje anunciadas pela OCDE, mais optimistas que as do Banco de Portugal.

Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 09 de Julho de 2002 às 13:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
A taxa de desemprego em Portugal vai subir para 4,4% este ano e abrandar para 4,3% em 2003, segundo as previsões hoje anunciadas pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), que são mais optimistas que as do Banco de Portugal.

A taxa de desemprego média anual prevista pela OCDE para Portugal este ano compara com os 4,1% verificados o ano passado, segundo o «Employment Outlook 2002» da OCDE, divulgado hoje.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE) a taxa de desemprego no primeiro trimestre deste ano totalizou 4,4%, o valor que a OCDE prevê para todo o ano.

Para o próximo ano a OCDE estima uma abrandamento na taxa de desemprego para 4,3%, o que representa uma descida de 0,1 pontos percentuais face a este ano.

Estas estimativas da OCDE comparam com as previsões do Banco de Portugal, que no último relatório de Junho estimou que a taxa de desemprego em Portugal, este ano e em 2003, deverá crescer para o seu valor natural, que ascende a 5%.

Este ano a taxa de criação de emprego em Portugal deverá cair para 0,8%, voltando a crescer para 1,4% em 2003.

O Banco de Portugal estima que o produto interno bruto da economia nacional vai crescer entre 0 e 1% este ano, aumentando 0,5 e 2,5% em 2003.

Nos países da OCDE a taxa de desemprego também vai aumentar este ano, para 6,9%. Na União Europeia o desemprego vai crescer para 7,6% e nos Estados Unidos aumentar para 5,6%.

«Mesmo com o recente ciclo económico de baixa em muitas áreas da OCDE, o desemprego permanece a níveis inaceitavelmente elevados», refere o ralatório.

A taxa de desemprego na Alemanha subiu em Junho para o valor mais elevado dos três anos, nos 9,8%.

Ver comentários
Outras Notícias