Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

OMC revê em forte baixa previsão de crescimento do comércio em 2023

Os economistas da OMC esperam atualmente que os volumes de comércio mundial de mercadorias cresçam 3,5% em 2022 - ligeiramente acima do aumento de 3,0% previsto em abril, mas preveem um aumento de 1,0% para 2023 - uma nítida diminuição em relação à estimativa anterior de 3,4% publicada em abril.

Portugal exportou para a Rússia 56,6 milhões de euros em bens. É o valor mais baixo desde 2006.
Mariline Alves
Lusa 05 de Outubro de 2022 às 12:29
  • Partilhar artigo
  • ...
A Organização Mundial do Comércio (OMC) reduziu esta quarta-feira drasticamente a sua previsão de crescimento do comércio mundial em 2023, num contexto de uma economia global sobrecarregada por múltiplos choques, tais como a guerra na Ucrânia e a política monetária restritiva.

Os economistas da OMC esperam atualmente que os volumes de comércio mundial de mercadorias cresçam 3,5% em 2022 - ligeiramente acima do aumento de 3,0% previsto em abril, mas preveem um aumento de 1,0% para 2023 - uma nítida diminuição em relação à estimativa anterior de 3,4% publicada em abril.

Para o PIB global, a nova previsão da OMC a taxas de câmbio de mercado é de um crescimento de 2,8% em 2022 e 2,3% em 2023 (menos 1,0 ponto percentual que a previsão anterior para este último valor).

Em comparação, a OCDE, que manteve a sua previsão em 3% para 2022, anunciou recentemente que espera um crescimento de 2,2% no próximo ano.

O FMI, por outro lado, espera um crescimento de 3,2% este ano e de 2,9% em 2023.

Se as atuais previsões do FMI se confirmarem, o crescimento do comércio abrandará significativamente em 2023, mas continuará a ser positivo.

A OMC observa, contudo, que existe uma incerteza considerável em relação à previsão devido à alteração da política monetária nas economias avançadas e à natureza imprevisível da guerra na Ucrânia.

Para 2023, se os riscos de queda se concretizarem, o crescimento do comércio poderia cair para -2,8%, mas se houver surpresas positivas, poderia subir para 4,6%.

A OMC diz que o comércio e a produção "serão sobrecarregados por vários choques inter-relacionados" no próximo ano, incluindo a guerra na Ucrânia, os preços da energia, a inflação e o aperto da política monetária.

Espera-se que a procura de importações enfraqueça à medida que o crescimento abrande devido a uma variedade de factores nas principais economias.

Na Europa, os preços mais elevados da energia resultantes da guerra na Ucrânia conduzirão a uma compressão das despesas domésticas e a custos mais elevados no setor industrial, diz a OMC.

Nos EUA, uma política monetária mais restritiva afetará os gastos sensíveis às taxas de juro em setores como o da habitação, o automóvel e o investimento em capital fixo, por exemplo.

A China continua a enfrentar novos surtos de covid-19 e ruturas de produção associadas a uma fraca procura externa, diz a OMC.
Ver comentários
Saber mais OMC Organização Mundial do Comércio FMI Ucrânia economia negócios e finanças macroeconomia comércio externo
Outras Notícias