Américas Onda de violência leva Forças Armadas brasileiras a assumir segurança do Rio de Janeiro

Onda de violência leva Forças Armadas brasileiras a assumir segurança do Rio de Janeiro

O presidente do Brasil, Michel Temer, decidiu decretar a intervenção na Segurança Pública no Rio de Janeiro. Assim, as Forças Armadas brasileiras vão assumir a segurança daquele estado, avança a imprensa brasileira.
Onda de violência leva Forças Armadas brasileiras a assumir segurança do Rio de Janeiro
Negócios 16 de fevereiro de 2018 às 13:57

Depois da onda de violência que está a varrer o estado do Rio de Janeiro, o presidente da República decidiu actuar e decretar uma intervenção na Segurança Pública. Com esta medida, que foi elaborada esta quinta-feira à noite e que vai ser ultimada e assinada esta sexta-feira para depois seguir para o Congresso para aprovação, as Forças Armadas brasileiras vão assumir a responsabilidade do comando da Polícia Civil e Militar no estado do Rio de Janeiro, de acordo com a imprensa brasileira.

A ideia é que a medida fique em vigor até ao final de Dezembro deste ano, mas, e dado que o decreto não está ainda finalizado nem foi aprovado pelo Congresso (que tem 10 dias para o fazer), podem ser feitas algumas alterações. O plano de acção que vai ser implementado ainda estará a ser definido pela cúpula do exército e das equipas de segurança do Estado.

Se o exército brasileiro for chamado a assegurar a segurança no estado do Rio de Janeiro, será a primeira vez desde que a Constituição de 1988 foi aprovada, segundo o jornal Folha de São Paulo, ou seja cerca de três anos depois do fim da ditadura militar.

O encontro de ontem entre o presidente Temer e vários ministros - no qual terá sido decidido avançar com esta medida - contou também com a presença do governador do estado do Rio de Janeiro, do presidente da Câmara e do presidente do Senado. Terá sido discutido neste encontro a possibilidade de criar um novo ministério – o ministério da Segurança Pública – algo que pode, inclusivamente, ser anunciado ainda esta sexta-feira.

Segundo a Globo, a reunião do governo teve lugar logo após o fim das festividades do Carnaval e coincidindo com uma escalada da onda de violência. Há registos de assaltos em blocos de apartamentos, houve arrastões, pessoas assaltadas a caminho do sambódromo e roubos em supermercados – episódios que se registaram tanto na Zona Norte como na Zona Sul, descreve o jornal.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 17.02.2018

É uma vergonha, essa prova geral para um futuro, nao remoto, de um golpe militar!

Anónimo 16.02.2018

D. Pedro II que não teve braço de ferro. E pensar que a origem do povo brasileiro é do povo português. Um dos povos mais pacificos do Mundo. A Republica vai acabar com o Brasil... Mais de 1000 favelas no só no Rio. Aceitar esse cancro social não vai dar certo. Portugal o pai afastado do filho rebel

Brasil 16.02.2018

Um país de miseráveis começando pelos de cima e acabando nos de baixo...

Johnny 16.02.2018

Eu voto EXTREMA DIREITA para tentar evitar que estes animais venham para a europa.
Mas tudo o que é preciso é um envelope com dinheiro para os nossos cônsules e embaixadores corruptos passarem vistos a quem quer que seja

pub