Justiça Operação Marquês: Abertura de instrução até 3 de Setembro

Operação Marquês: Abertura de instrução até 3 de Setembro

O antigo primeiro-ministro José Sócrates e os restantes arguidos da Operação Marquês têm até dia 3 Setembro para pedir a abertura de instrução do processo, por decisão judicial.
Operação Marquês: Abertura de instrução até 3 de Setembro
Lusa 16 de abril de 2018 às 22:34

Segundo uma fonte ligada ao processo, Carlos Alexandre (na foto), juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal, estipulou o dia 3 de Setembro como prazo limite para ser requerida a abertura de instrução, uma fase processual facultativa e que é dirigida por um magistrado.  

 

Há seis meses, o Departamento Central de Investigação Criminal acusou 28 arguidos, entre os quais o ex-primeiro-ministro de vários crimes económico-financeiros, nomeadamente corrupção e branqueamento de capitais.

 

A notícia do prazo para abertura de instrução da Operação Marquês foi avançada pela estação de televisão SIC, que hoje transmitiu uma peça jornalística com o registo vídeo de partes dos interrogatórios do Ministério Público a José Sócrates. 

 

A defesa de José Sócrates criticou na passada semana o Ministério Público por ainda não ter apresentado uma acusação "verdadeira e formal" contra o ex-primeiro-ministro, volvidos quase cinco anos após o início do processo Operação Marquês.

 

Em comunicado, o advogado Pedro Delille lembrou que fez a 12 de Abril precisamente seis meses que o Departamento de Investigação e Acção Penal (DCIAP) considerou ultimados os procedimentos de notificação da acusação que apresentou no processo Operação Marquês, com a entrega ou disponibilização aos arguidos e aos assistentes dos "abundantes meios de prova em que afirmava basear as gravíssimas imputações feitas" a José Sócrates.

 

O inquérito Operação Marquês tem 28 arguidos acusados - 18 pessoas e nove empresas - e está relacionado com a prática de quase duas centenas de crimes de natureza económico-financeira.

 

José Sócrates, que chegou a estar preso preventivamente e em prisão domiciliária durante meses, está acusado de três crimes de corrupção passiva de titular de cargo político, 16 de branqueamento de capitais, nove de falsificação de documentos e três de fraude fiscal qualificada.  

 

Entre outros pontos, a acusação sustenta que Sócrates recebeu cerca de 34 milhões de euros, entre 2006 e 2015, a troco de favorecimentos a interesses do ex-banqueiro Ricardo Salgado no Grupo Espírito Santo (GES) e na PT, bem como por garantir a concessão de financiamento da Caixa Geral de Depósitos ao empreendimento Vale do Lobo, no Algarve, e por favorecer negócios do Grupo Lena.

 

Além de Sócrates, estão acusados o empresário Carlos Santos Silva, amigo de longa data e alegado `testa de ferro´ do antigo líder do PS, o ex-presidente do BES Ricardo Salgado, os antigos administradores da PT Henrique Granadeiro e Zeinal Bava e o ex-ministro e antigo administrador da CGD Armando Vara, entre outros.

 

A acusação deduziu também um pedido de indemnização cível a favor do Estado de 58 milhões de euros a pagar por José Sócrates, Ricardo Salgado, Carlos Santos Silva, Armando Vara, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava e outros acusados. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Amilcar Alho Há 1 semana

Aqui está a ser investigada a proveniência de 33 M€. Ninguém investiga a fraude que foi cometida na PT que lesou Portugal em 12 mil M€. Os criminosos andam à solta, a gozar à grande e à francesa, sem serem investigados e a rirem-se da inoperância da PGR e da CMVM.

pub