Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Otmar Issing: "Estamos a dar passos que farão colapsar o euro" (act.)

Antigo "falcão" do BCE e "mentor" de Vítor Gaspar lembra que sempre defendeu uma união política para acompanhar o euro. Mas o que está a ser construído é uma "união de dívida" que se, no passado, gerou guerras, ameaça agora o euro e a própria União Europeia.

Eva Gaspar egaspar@negocios.pt 09 de Agosto de 2011 às 11:34
Otmar Issing escreve hoje mais um artigo arrasador no “Financial Times” em que acusa os Governos europeus de terem violado o mandato originalmente dado ao Banco Central Europeu (BCE) e de estarem caminhar no sentido de uma “união de dívida” que nada tem a ver com a união política que diz ter sempre defendido para acompanhar a monetária.

Conhecido pelas posições ultra-ortodoxas que defendeu no BCE – de que foi o primeiro economista-chefe – Issing frisa que uma união política construída sob a força das circunstâncias que, em nome da salvação do euro, premeia países que “quebraram as regras” e, em contrapartida, lhes exige cedência de soberania é, na verdade, uma “união de dívida”, que não nasce da vontade nem tem escrutínio democrático, estando, por tal, condenada ao fracasso.

Issing, que tem em Vítor Gaspar um reconhecido admirador desde os tempos em que ambos trabalharam em Frankfurt, lembra que muitos exemplos de “união de dívida” culminaram, no passado, em guerras. Agora "ameaçam fazer colapsar o mais bem sucedido projecto de integração económica da humanidade”.

O economista alemão critica a devassa da independência do BCE (que está de novo a comprar, e em força, dívida soberana para tentar travar o contágio da crise) e as decisões tomadas na última cimeira do euro, que deu luz verde para que o Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) passe a comprar dívida no mercado secundário e conceder linhas de crédito de emergência aos Estados que não consigam financiar-se junto dos investidores.

Em sua opinião, estas decisões são a antecâmara da emissão conjunta de dívida pública (os "eurobonds") que está a surgir pelas piores razões. “A falta de disciplina orçamental é premiada, ao passo que a solidez orçamental é punida”, assevera Issing, antecipando que alguns países – nunca se refere explicitamente à Alemanha natal – vão passar a pagar juros mais altos na emissão de obrigações europeias, só para que os mal comportados paguem menos.


A rigor, acusa, o que se está a fazer é caminhar para uma transferência da responsabilidade orçamental para os países (e seus contribuintes) que estão a cumprir as regras de boa gestão, sujeitando-os à possibilidade de terem de pagar mais impostos para pagar erros de Governos que não elegeram.

Está a violar-se, diz, o princípio de não se pode cobrar impostos a quem não tem capacidade de fazer escolhas (“no taxation without representation”). E isso tenderá a ser fatal para o euro e para a UE, adverte.

Ver comentários
Saber mais BCE Issing euro colapso união de dívida
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio