Segurança Social Pagamento à Segurança Social por multibanco tem novas funcionalidades

Pagamento à Segurança Social por multibanco tem novas funcionalidades

A Segurança Social disponibilizou este mês novas funcionalidades para os trabalhadores independentes e do serviço doméstico pagarem as contribuições por multibanco, passando a estar disponível o valor dos juros de mora para pagamentos em atraso, foi hoje anunciado.
Pagamento à Segurança Social por multibanco tem novas funcionalidades
Carlos Manuel Martins
Lusa 12 de março de 2018 às 15:55

De acordo com um comunicado do Instituto da Segurança Social (ISS), desde o início do mês estão disponíveis novas opções e funcionalidades para pagamento das contribuições através do Multibanco para os trabalhadores independentes, do serviço doméstico, beneficiários do seguro social voluntário e produtores agrícolas dos Açores.

 

No caso dos trabalhadores independentes, beneficiários do seguro social voluntário e produtores agrícolas dos Açores, deixa de ser necessário indicar o número de dias de trabalho e passa a ser apresentado o valor dos juros de mora (calculados no momento) para o pagamento de contribuições em atraso.

 

Em alternativa, podem consultar os valores em dívida e efetuar o pagamento através da internet, na Segurança Social Direta.

 

Já para os trabalhadores de serviço doméstico, passa a estar disponível o pagamento das contribuições dos trabalhadores que descontam com base na remuneração real, sendo que nesta situação terá de ser indicado o valor real auferido.

 

Os trabalhadores do serviço doméstico passam ainda a poder indicar o Número de Identificação da Segurança Social (NISS) do empregador, ficando igualmente disponível o valor dos juros de mora para pagamento de contribuições em atraso.

 

Caso não seja possível efetuar o pagamento através do multibanco, os trabalhadores de serviço doméstico podem efetuá-lo nas tesourarias da Segurança Social.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 12.03.2018

Patrocina um excedentário a tua vida toda. Vota PS. E porque não dois ou três? Vota geringonça.

comentários mais recentes
Anónimo 12.03.2018

Sejamos sérios. Queremos números de excedentários despedidos. Hoje em dia, reformas destas não se fazem sem substituir factor trabalho por factor capital e sem reduzir a quantidade líquida de factor trabalho alocado e aumentar a quantidade líquida de factor capital alocado. É dos livros, é dos mercados, é da vida. Nos territórios mais ricos e desenvolvidos estas coisas andam sempre aliadas a reestruturações profundas com recurso a despedimentos. Seja numa universidade escandinava, numa multinacional alemã, numa companhia das águas irlandesa, numa autarquia escocesa, num ministério inglês, numa empresa ferroviária suíça ou numa repartição de finanças australiana. É aí que se poupa e cria valor que irá extravasar por toda a economia e sociedade elevando-as para outro patamar de forma sustentável e impedindo a sua queda para o precipício da iniquidade e insustentabilidade a que chamam crise, empobrecimento e falta de soberania.

Anónimo 12.03.2018

Patrocina um excedentário a tua vida toda. Vota PS. E porque não dois ou três? Vota geringonça.

pub