Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Parlamento decide na próxima semana se leva CGD e BdP a tribunal

Os trabalhos da comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos estão praticamente paralisados. Sem audições marcadas, os deputados querem os documentos que não têm sido entregues. E querem saber o que está a ser investigado na justiça.

Bruno Simão
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 30 de Setembro de 2016 às 11:52
  • Partilhar artigo
  • 9
  • ...

A comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos vai decidir, na próxima semana, se vai levar o Banco de Portugal e o banco público a tribunal, sabe o Negócios. A possibilidade, que foi colocada em cima da mesa na reunião de deputados coordenadores da comissão parlamentar esta sexta-feira 30 de Setembro, coloca-se devido à recusa de envio de documentação por parte das duas entidades.

 

Esta sexta-feira, havia uma reunião da mesa e dos deputados coordenadores da comissão de inquérito para discutir as respostas dadas pelo regulador liderado por Carlos Costa e pelo banco agora sob o comando de António Domingues, rejeitando entregar documentação. O encontro realizou-se mas os deputados decidiram só tomar decisões na próxima semana, quando estiverem reunidos todos os deputados da comissão.

 

Uma das possibilidades colocadas pelos deputados, e cujo desfecho será decidido a 7 de Outubro, está relacionada com a ida para o Tribunal da Relação para que haja uma decisão judicial sobre a entrega de documentos à comissão de inquérito. Mesmo com os poderes parajudiciais atribuídos a esta comissão à CGD, as entidades têm-se recusado a disponibilizar alguma confidencialidade.

 

Aliás, o Banco de Portugal começou logo a sua intervenção na comissão, em Julho passado, a dizer que não poderia disponibilizar muitos documentos tendo em conta que, ao contrário do BES e do Banif, a Caixa está em actividade e, portanto, mais exposta do que os antigos concorrentes.

 

Um outro aspecto que tem de ser esclarecido também durante a próxima semana é o perímetro de abrangência do inquérito sobre a CGD que foi revelado pela Procuradoria-Geral da República na semana passada. Qual a delimitação do diploma, e se pode colidir com os trabalhos da comissão (com inquiridos a invocarem segredo de justiça), é um ponto a definir.

 

Enquanto isto, as audições estão paralisadas. Até aqui, foram convocadas quatro personalidades. O ministro das Finanças, Mário Centeno, o governador, Carlos Costa, e o antigo presidente executivo, José de Matos, foram ouvidos antes mesmo das férias parlamentares.

 

António Domingues foi chamado, numa exigência do CDS, esta semana, tendo sido o quarto inquirido. Na sua audição, utilizou o BPI, banco de onde era vice-presidente, para mostrar que a CGD fez cortes inferiores à média e que precisa de avançar para uma reestruturação, que ainda não tem números oficiais. 

Mas não há novidades em relação a futuros nomes a serem chamados, tendo em conta a vontade dos deputados de terem acesso a documentação sobre a instituição financeira. 

Ver comentários
Saber mais Caixa Geral de Depósitos Banco de Portugal Carlos Costa António Domingues BES Tribunal da Relação
Outras Notícias