Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Passos Coelho avisa que PS está comprometido com tratado orçamental

Passos Coelho advertiu que enquanto não forem atingidos os objectivos de "equilíbrio orçamental no médio prazo" todos os partidos "com a expectativa de vir a ser governo como é o caso do PS deverão respeitar essa orientação".

A carregar o vídeo ...
Lusa 18 de Maio de 2014 às 12:53
  • Assine já 1€/1 mês
  • 46
  • ...

O líder do PSD e primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, considerou hoje prematuro avançar com medidas de alívio fiscal futuro e avisou que o Partido Socialista está comprometido com os objectivos do tratado orçamental.

 

Passos Coelho advertiu que enquanto não forem atingidos os objectivos de "equilíbrio orçamental no médio prazo" todos os partidos "com a expectativa de vir a ser governo como é o caso do PS deverão respeitar essa orientação".

 

"Tanto mais que Partido Socialista também se comprometeu com estas metas de ter um orçamento equilibrado quando ratificou o chamado tratado orçamental na Assembleia da República", afirmou Passos Coelho.

 

Creio que é prematuro nesta altura estar a avançar com medidas que no futuro possam trazer alívio de natureza fiscal ou com novas políticas que traduzam despesa
 
Passos Coelho

O presidente do PSD respondia aos jornalistas após questionado sobre a promessa de não aumentar impostos e de recuperar o rendimento dos portugueses feita pelo secretário-geral do PS, António José Seguro, que apresentou no sábado 80 objetivos políticos do próximo programa de governo socialista.

 

"Creio que é prematuro nesta altura estar a avançar com medidas que no futuro possam trazer alívio de natureza fiscal ou com novas políticas que traduzam despesa", disse, acrescentando que enquanto o objetivo de "equilíbrio orçamental no médio prazo" não for atingido, o rigor e a disciplina "serão muito importantes".

 

Passos Coelho sublinhou que decorre uma campanha eleitoral para o Parlamento Europeu, considerando que "não é um benefício estar a misturar as campanhas" e que "seria mais útil centrar as expectativas" para as eleições europeias.

 

Passos Coelho defendeu que "é muito importante manter firmeza para prosseguir política orçamental responsável e equilibrada" porque "ainda há défice para reduzir".

 

Questionado sobre se uma eventual "crise" na coligação de governo poderá afectar os planos do governo para o "pós-troika", Passos Coelho afirmou não acreditar que exista alguma crise na coligação.

 

"Não creio que haja nenhuma crise da coligação, nenhuma tensão na coligação", afirmou o presidente do PSD.

 

No início da sua declaração, ao lado de Juncker, Passos Coelho deixou ainda um apelo a uma "forte participação" dos cidadãos europeus e dos portugueses porque, disse, "o Parlamento Europeu é uma instituição que conta".

Ver comentários
Saber mais Pedro Passos Coelho Partido Socialista António José Seguro tratado orçamental
Outras Notícias