Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Passos Coelho: "Ninguém muda a sua família nem toda a sua vida do Algarve para Trás-os-montes sem incentivos"

Governo promete incentivos para aplicar as novas regras de mobilidade geográfica, nomeadamente no sector da Saúde.

  • Partilhar artigo
  • 5
  • ...
O primeiro-ministro afirmou hoje que vai criar incentivos para compensar os funcionários públicos pela mobilidade geográfica, que o Governo pretende aplicar nomeadamente no sector da Saúde.

"Deve também haver algum incentivo para ajudar a que esta mobilidade possa ter lugar. Evidentementeque ninguém muda a sua família nem toda a sua vida do Algarve para Trás-os-montes sem ter um incentivo para isso", afirmou o primeiro-ministro, no Parlamento.

"No entanto podem existir circunstâncias, nomeadamente na área da Saúde, onde sejam precisos profissionais no interior que está muito abandonado, e muitas vezes não há possibilidade da administração garantir que esses profissionais prestem os serviços necessários às populações", referiu Passos Coelho.

Regras em vigor são "conservadoras"

Ao longo do debate, o primeiro-ministro afirmou que o Governo não pretende impor a mobilidade geográfica aos funcionários, mas acrescentou que as regras em vigor são "demasiado rígidas".

"Não pode haver um compromisso mais aloquente da parte do Governo quanto à necessidade de encontrar um regime que não seja forçado, que não seja imposto unilateralmente, mas que seja negociado", afirmou Passos Coelho.

No entanto, o primeiro-minisro afirmou também que o regime da mobilidade é "demasiado rígido". E na sequência do programa de reforma da Administração Central, defendeu, é necessário redistribuir recursos humanos.

"Isso implicará ir mais além daquilo que o actual regime já prevê, que é a mobilidade apenas a pedido do próprio dentro do mesmo concelho. Precisamos de ir além desta regra que é demasiado rígida", disse.

Concluindo que é necessário criar incentivos, o primeiro-ministro acrescentou que o Governo não pode manter "o conservadorismo" das regras da mobilidade em vigor, que Passos Coelho considerou insuficientes.
Ver comentários
Saber mais funcionários públicas Função Pública Passos Coelho mobilidade
Outras Notícias