Economia Passos criou "130 mil empregos"? Sim, mas antes destruiu 420 mil

Passos criou "130 mil empregos"? Sim, mas antes destruiu 420 mil

Passos Coelho tem razão quando diz que foram criados perto de 130 mil empregos. Porém, o primeiro-ministro não referiu que, antes dessa recuperação e durante o seu mandato, foram destruídos mais de 400 mil postos de trabalho.
Passos criou "130 mil empregos"? Sim, mas antes destruiu 420 mil
Reuters
Nuno Aguiar 06 de maio de 2015 às 20:28

O primeiro-ministro decidiu puxar pelos galões. Durante uma das suas intervenções no debate quinzetal de quarta-feira, 6 de Maio, Pedro Passos Coelho lembrou que o seu Governo foi responsável pela criação de quase 130 mil postos de trabalho, comparando esse número com uma promessa antiga, nunca cumprida, de José Sócrates (criação de 150 mil empregos).

 

Na realidade, até agora, o saldo deste Executivo no capítulo do emprego é muito negativo, com a destruição de 300 mil empregos.


"O número de empregos criados entretanto é já bastante sensível, anda muito próximo dos 130 mil postos de trabalho criados nos últimos oito trimestres", afirmou Passos Coelho, comparando o seu feito com um compromisso do seu antecessor.

 

"Não sei se se recordam de uma antiga promessa eleitoral de criação de 150 mil postos de trabalho. Houve, na altura, uma promessa que comprometia a criação de 150 mil postos de trabalho."


Vamos por partes. Em primeiro lugar, nos últimos oito trimestres houve, de facto, criação de emprego. Não 130 mil como diz o primeiro-ministro, mas não muito longe: foram 123 mil, segundo o INE).

 

Mas essa não é a principal imprecisão dessas declarações. É que Passos Coelho não refere que antes desses oito trimestres de recuperação do mercado de trabalho há outros oito com sucessivas destruições de emprego.

 

Entre o primeiro trimestre de 2011 e o primeiro trimestre de 2013, 420 mil pessoas deixaram de trabalhar.  O que significa que os 123 mil empregos criados são menos de um terço dos destruídos no período anterior. Um saldo negativo de 298 mil.


Se quisermos ser ainda mais rigorosos com a data de início do mandato do actual do Governo, pode ser utilizado como ponto de partida o segundo trimestre de 2011, o último em que Passos Coelho não governou. Nesse caso, a destruição de emprego é ainda maior: menos 445 mil empregos nos dois anos seguintes.


José Sócrates – chamado ao debate pelo actual primeiro-ministro – também não tem um registo positivo no capítulo do emprego, com o desaparecimento de 230 mil postos de trabalho durante os seis anos em que governou o País(entre o primeiro trimestre de 2005 e o segundo trimestre de 2011, período em que houve duas quebras de séries do INE). Ainda assim, números menos negativos do que os do actual Governo (298 mil empregos). 




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI