Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Petróleo recupera de mínimos e ouro afasta-se de preços recorde

Ligeira acalmia dos mercados leva petróleo a recuperar parte das quedas desta manhã e o ouro a descer de mais um máximo histórico atingido hoje. Crise de confiança está a gerar onda de nervosismo nos mercados.

Rita Faria afaria@negocios.pt 09 de Agosto de 2011 às 13:34
O petróleo está a recuperar de mínimos de 10 meses atingidos esta manhã, nos mercados londrino e de Nova Iorque. Os receios de que a economia global se encaminha para uma recessão provocaram um impulso vendedor desta matéria-prima, o que originou quedas acentuadas no início da sessão.

No entanto, o ouro negro já está a recuperar e, no mercado de Londres já negoceia em terreno positivo. O barril de Brent, que serve de referência às importações europeias segue a ganhar 0,52% para os 104,28 dólares por barril, depois de ter fixado um novo mínimo abaixo dos 100 dólares.Já na bolsa de Nova Iorque o crude WTI desce 0,36% para 81,02 dólares, tendo fixado um mínimo de 10 meses nos 75,71 dólares.

No mesmo sentido, o ouro está a reflectir o ligeiro “alívio” dos investidores que, apavorados com o receio de uma recessão económica global, saíram em massa dos mercados accionistas para se refugiar em activos considerados mais seguros, como o caso do ouro. A matéria-prima está a acusar o abrandamento da manhã de pânico, e está a negociar abaixo do novo máximo histórico registado na sessão de hoje.

No mercado londrino, o ouro para entrega imediata registou um novo recorde ao subir 3,52% para valer 1.780,10 dólares por onça, seguindo agora a ganhar 1,71% para os 1.748,95 dólares por onça. Já os futuros sobre o ouro cotado em Nova Iorque ganham 2,46% para os 1.752,20 dólares por onça, tendo chegado a valorizar 4,02% durante a sessão, quando a matéria-prima negociava num máximo histórico de 1.779 dólares por onça.

Este sentimento reflecte-se também nos mercados accionistas europeus, que estão a recuperar das perdas acentuadas do início da sessão.
Ver comentários
Saber mais Ouro petróleo Londres Nova Iorque mercados bolsas
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio