Economia Portugal foi o segundo país que mais subiu no ranking mundial da competitividade  

Portugal foi o segundo país que mais subiu no ranking mundial da competitividade  

O IMD, conhecida escola suíça de negócios, actualizou o seu ranking de competitividade para 2015. Portugal subiu sete lugares - só Itália subiu mais - e ocupa agora o 36º lugar. Está ainda na metade inferior da tabela mundial, mas ultrapassou Espanha.
Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg Bloomberg

Pelo segundo ano consecutivo, Portugal subiu no ranking de competitividade elaborado pelo Institute for Management Development (IMD), influente escola suíça de negócios, tendo sido o segundo país, entre os 61 agora avaliados, que mais melhorou a sua classificação em 2015, ao subir sete posições face ao ano anterior, para se posicionar no 36º lugar.

 

No ranking deste ano, que continua a ser liderado pelos Estados Unidos, Portugal ultrapassou a vizinha Espanha, que subiu duas posições para o 37º lugar. Só Itália deu um maior salto de competitividade num ano, ao transpor oito degraus para se posicionar no 38º lugar.

 

Ainda assim, Portugal permanece na metade inferior da tabela mundial, atrás da Irlanda (caiu um lugar para 15º) ou da Polónia (subiu três para 36º), países frequentemente concorrentes na atracção de investimento estrangeiro. Este 36º lugar está já distante da pior marca atingida em 2013 (46ª posição), iguala a classificação obtida em 2008 e fica dois lugares abaixo da registada (34º) em 2009.

 

O indicador final do ranking de competitividade da IMD, que é publicado desde 1989, resulta da ponderação mais de 300 indicadores, quantitativos e qualitativos, que são antes arrumados em quatro grandes áreas relevantes para a competitividade, também elas com ranking próprio. Na edição desde ano, Portugal melhora a sua classificação em todas elas: desempenho económico (passou da 54ª para a 45ª posição entre 61 países); eficiência do governo (passa da 48ª para 34ª posição); eficiência das empresas (passa do 52º para o 48º lugar) e qualidade das infra-estruturas (está no 26º posto, vindo do 29º).

 

Olhando ainda mais de perto para a paisagem da competitividade de Portugal, as melhores notas vão para o enquadramento legal da actividade das empresas (14º lugar em 61 países), para as infra-estruturas no domínio da educação (15º), para a evolução dos preços (21º) e para o desempenho no que respeita ao investimento internacional (22º). As piores classificações vão para a evolução do emprego (54º em 61), seguida da eficácia na gestão empresarial e das finanças públicas (em ambas Portugal está em 52º lugar, bem perto do fundo da tabela).

 

Quando se analisa a composição dos indicadores ranking à lupa, Portugal chega a ter um primeiro lugar mundial com as leis da imigração e fica na cauda da tabela, em 60º lugar, quando o indicador medido é a dívida das empresas.




Saber mais e Alertas
pub