Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portugal é o segundo país da UE com menor percentagem de empregos vagos

No último trimestre do ano passado, a taxa de empregos vagos em Portugal foi de 0,6%, muito abaixo da média da Zona Euro e da UE. Este indicador ficou inalterado face ao trimestre anterior e face ao período homólogo.

Paulo Duarte
Rita Faria afaria@negocios.pt 18 de Março de 2016 às 10:42
  • Partilhar artigo
  • ...

Portugal é o segundo país da União Europeia, juntamente com Espanha, com menos empregos vagos, revela o Eurostat esta sexta-feira, 18 de Março. No último trimestre de 2015, a taxa de empregos disponíveis em Portugal fixou-se em 0,6%, o mesmo valor do que em Espanha, e superior apenas ao da Polónia (0,5%).

Em Portugal, este indicador manteve-se inalterado face ao trimestre anterior e face ao período homólogo (último trimestre de 2014). 

Entre os Estados-membros da União Europeia, a percentagem de empregos por ocupar é mais elevada na Alemanha e Reino Unido (2,6%), República Checa (2,4%) e Bélgica (2,2%).

Na Zona Euro, a taxa de empregos vagos foi de 1,6% nos últimos três meses de 2015, valor que representa uma ligeira subida face à taxa de 1,5% registada no trimestre anterior e no período homólogo. 

Já na União Europeia, este indicador fixou-se em 1,7% nos últimos três meses do ano passado, acima dos 1,6% do trimestre anterior e do período homólogo.

Nas duas regiões, é nos serviços que existem mais empregos disponíveis (2%), quase o dobro das vagas na indústria (1,2%).

Entre os Estados-membros da EU para os quais existem dados disponíveis, as taxas de vagas de emprego aumentaram em 21 países, permaneceram estáveis em quatro e caíram em dois, em comparação com o mesmo trimestre de 2014. As maiores subidas foram observadas na República Checa (0,8 pontos percentuais) e na Letónia (0,7 pontos percentuais) e as únicas descidas ocorreram em malta (-0,4 pontos percentuais) e na Estónia (-0,1 pontos percentuais). 

Ver comentários
Saber mais Portugal União Europeia Espanha Eurostat Polónia Alemanha conjuntura economia negócios e finanças Zona Euro
Outras Notícias