Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portugal entre os países da UE com menores níveis de satisfação com o trabalho

Mais de metade dos trabalhadores da União Europeia considera boas as condições de trabalho no seu país, mas a maioria acha que as mesmas se deterioraram nos últimos cinco anos. Mas em Portugal, apenas 32% da população está satisfeita.

Bruno Simão/Negócios
Ana Filipa Rego arego@negocios.pt 24 de Abril de 2014 às 14:17
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...

Ainda que mais de metade dos trabalhadores europeus considere serem boas as condições de trabalho no seu país (53%), uma maioria (57%) acha que as mesmas se deterioram nos últimos 5 anos. Dinamarca está entre os mais satisfeitos enquanto Portugal tem menos de metade dos inquiridos a responder de forma afirmativa. São estes os resultados de um inquérito Eurobarómetro hoje publicado, que analisa a forma como a qualidade do trabalho foi afectada pela crise.

 

Segundo a mesma fonte, “apesar de a maior parte dos trabalhadores se dizer satisfeita com as suas condições de trabalho (77%, em média na UE), são ainda muito acentuadas as disparidades entre os Estados-Membros, oscilando entre os 94% e os 38% registados na Dinamarca e na Grécia, respectivamente”.

 

De um modo geral, a maioria dos trabalhadores “exprime elevados níveis de satisfação com o respectivo horário laboral (80%) e as condições de saúde e segurança no trabalho (85%)”, acrescenta.

 

Neste contexto, o inquérito Eurbarómetro, realizado nos 28 Estados-Membros, revela que:

mais de 80% dos inquiridos na Dinamarca, no Luxemburgo, na Finlândia e nos Países Baixos consideram serem boas as condições de trabalho no seu país.

 

A nível dos trabalhadores individualmente, a Dinamarca ocupa também o primeiro lugar, com 94% dos trabalhadores a declararem-se satisfeitos com as suas condições de trabalho. A Áustria e a Bélgica vêm depois, com 9 em 10 trabalhadores satisfeitos, logo seguidas da Finlândia (89%), do Reino Unido e da Estónia (ambos com 88%).

 

Grécia com taxa de satisfação mais baixa

 

Por outro lado, a Grécia regista a taxa de satisfação mais baixa a nível dos países (16%) e é o único país onde menos de metade dos inquiridos que trabalham está satisfeita com as suas condições atuais (38%); em menor grau, os níveis de satisfação são inferiores na Croácia (18%), Espanha (20%), Itália (25%), Bulgária (31%), Eslovénia, Portugal e Roménia (32% cada), mas também na Eslováquia (36%) e na Polónia (38%).

 

O comunicado da Comissão Europeia explica que são vários os factores responsáveis por esta divergência nos níveis de satisfação: a conjuntura económica e social influenciada pela crise, mas também características mais estruturais em termos de diálogo social, políticas sociais e legislações laborais, que podem ser mais ou menos determinantes em função das situações nacionais em toda a UE.

 

“Os resultados do Eurobarómetro contribuirão para o debate sobre as perspectivas atuais e futuras da acção da UE no domínio das condições de trabalho, a realizar em Bruxelas em 28 de Abril. A conferência proporcionará uma oportunidade de discutir formas de continuar a desenvolver uma abordagem coerente e vanguardista das condições de trabalho na UE, de modo a assegurar elevados níveis de qualidade, segurança e equidade no trabalho”, conclui o comunicado

 

Ver comentários
Saber mais Portugal UE satisfação trabalho
Mais lidas
Outras Notícias