Emprego Programa Qualifica com 150 mil inscrições no primeiro ano de execução

Programa Qualifica com 150 mil inscrições no primeiro ano de execução

Mais de 150 mil pessoas inscreveram-se no Programa Qualifica durante o seu primeiro ano de execução, superando a meta anual prevista, revelam dados do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social a que a Lusa teve hoje acesso.
Programa Qualifica com 150 mil inscrições no primeiro ano de execução
Inês Gomes Lourenço
Lusa 07 de março de 2018 às 07:46

Destinado à educação e formação de adultos, o Programa Qualifica foi lançado há um ano e conta com "mais de 150 mil inscrições na rede de 300 Centros Qualifica" existentes em vários pontos do país, revela o ministério de Vieira da Silva.

Segundo os dados, registam-se ainda 115 mil encaminhamentos para ofertas formativas e processos de reconhecimento, validação e certificação de competências (RVCC).

"Estes resultados sinalizam um importante progresso em matéria de educação e formação de adultos", sublinha a mesma fonte.

O número de adultos inscritos nos Centros Qualifica aumentou mais de 40% face a 2016 e 150% face à média de 50 mil inscrições por ano registada entre 2014 e 2015.

O volume de encaminhamentos para ofertas formativas e processos de RVCC aumentou cerca de 20% em relação a 2016 e mais de 180% na comparação com a média anual de 34 mil encaminhamentos observada no período de 2014 a 2015.

O Programa Qualifica foi lançado em Março de 2017, tendo como objectivo abranger 600 mil pessoas até 2020, com uma meta de 145 mil inscrições por ano.


Segundo o Ministério do Trabalho, o Programa Qualifica "deverá contribuir para elevar a taxa de participação de adultos em actividades de aprendizagem ao longo da vida" e "garantir que pelo menos metade da população adulta conclui o Ensino Secundário até 2020".

Esta estratégia é encarada como prioritária pelo Governo e integra-se no Programa Nacional de Reformas.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 07.03.2018

Quem qualifica os bancarroteiros? Quem os recicla? Quem os educa? O ISCSP talvez. Com curso intensivo para maiores de 23 em horário nocturno.

comentários mais recentes
Anónimo 07.03.2018

O comuno-socialismo luso, presente em todos os sindicatos e em muitos partidos de Portugal, obedece a uma intrigante lógica que agita a bandeira da educação mas que quando vê alguém que se educou e foi capaz de inovar ao ponto de fazer desaparecer onerosas e ineficientes carreiras que garantem postos de trabalho obsoletos pagos por contribuintes, consumidores, investidores e trabalhadores com real procura de mercado, levanta de imediato uma bandeira especial do trabalho e diz, em mau tom, ao inovador educado, para fugir do país ou mudar compulsivamente de ocupação abdicando dos potenciais rendimentos que adviriam da inovação conseguida. O comuno-socialismo é psicopata e criminoso. Uma verdadeira doença mental grave, perigosa para todo e qualquer processo de criação de valor.

Anónimo 07.03.2018

Quem qualifica os bancarroteiros? Quem os recicla? Quem os educa? O ISCSP talvez. Com curso intensivo para maiores de 23 em horário nocturno.

pub