Função Pública Progressões deixam Função Pública em pé de guerra
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Progressões deixam Função Pública em pé de guerra

Professores, médicos e enfermeiros cobram as promessas deixadas no orçamento do Estado e marcam paralisações. Docentes avançam com quatro dias de greve, por região, já a partir de amanhã, caso o Governo não reveja esta tarde a sua proposta.
Progressões deixam Função Pública em pé de guerra
Catarina Almeida Pereira 11 de março de 2018 às 22:30

Nem pagamento atempado das progressões este ano nem garantias de recuperação do tempo de trabalho a partir do próximo. Enquanto os funcionários públicos se entretêm a adivinhar quanto poderão (ou

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 12.03.2018

Em muitas organizações portuguesas, mesmo aqueles que estão entre os melhores técnicos do sector, estão em demasia na respectiva organização e eu não tenho que lhes andar a subsidiar o ordenado nem a pagar a futura e muito generosa pensão de reforma. Quem não cria valor e apenas se limita a extraí-lo, por muito boa pessoa e profissional que seja, tem direito ao RSI e a ir oferecer os seus préstimos lá para onde exista procura real, efectiva, para eles. O dealbar das bancarrotas portuguesas, no geral, e o das 3 últimas em particular, tem única e exclusivamente a ver com isto, ao qual se pode chamar má alocação de factores produtivos na economia.

comentários mais recentes
Mr.Tuga 12.03.2018

.....

"avante, camaradas"....

Enviem a conta para validar no efatura ao tuga de 2ª, do privado!

Anónimo 12.03.2018

Entretanto, dos EUA ao Reino Unido, há 3 anos que o número de funcionários do universo do Estado não se afasta dos mínimos históricos que já não se viam desde a década de 1960 no primeiro caso, e desde a Segunda Guerra Mundial no segundo. Assim se explica a riqueza e a pobreza das nações. https://blogs.wsj.com/economics/2014/11/07/the-federal-government-now-employs-the-fewest-people-since-1966/ https://www.thetimes.co.uk/article/job-cuts-to-shrink-civil-service-to-1940s-size-5blwv2z6qmd

pertinaz 12.03.2018

AS PROMESSAS DA ESCUMALHA DE ESQUERDA IRÃO FICAR POR CUMPRIR...!!!

DESDE QUE ESTES DITADORES DE PACOTILHA POSSAM CONTINUAR A DESGOVERNAR O PAÍS ESTÁ TUDO BEM...

Anónimo 12.03.2018

Toda a população deve a vida profissional aos professores pois é o conhecimento que leva ao trabalho diferenciado co qualidade ensina a raciocinar,sem isto estávamos nos tempos das trevas.O setor da saúde é a base para uma comunidade produtiva saudável. Têm exigências de atualização elevado.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub